Austria, Bratislava, Eslovaquia, Europa, Tema Mercados Gastronômicos, Tema Palacios, Viena

Roteiro de 4 dias em Viena: Onde se hospedar, o que fazer e como chegar

Finalmente escrevendo o post da viagem à Viena. Vienna foi mais um dentre alguns destinos visitados recentemente  onde perguntei a mim mesma, como diria o italiano: Por que “cazzo” não visitei esse lugar antes? É claro que sei os motivos mas o questionamento foi inevitável. Como sou otimista e sempre tento ver o copo meio cheio, foi legal ter tido a oportunidade de conhecer Viena junto com minha mãe pois era um sonho antigo dela que fiquei feliz em ajudar a realizar.

Viena – Rua Graben

Simplesmente amei Viena, saí de lá achando que moraria facilmente em Vienna. A cidade me transmitiu uma qualidade de vida incrível. Tem um tamanho médio, um excelente transporte público, é muita organizada e muito limpa; talvez a mais limpa das cidades europeias de grande/médio porte pelas quais passei nos últimos tempos. Talvez aquela limpeza e organização que o turista brasileiro espera das cidades européias mas que nem sempre encontra.

Em termos turísticos não deixa nada a desejar, são inúmeras obras arquitetônicas, jardins, museus e palácios. Sem falar do mito Sissi, a Imperatriz. Cabe perfeito em um roteiro de 3 dias, não falta o que fazer, faltam sim dias para visitar todas as atrações.

Como chegamos em Viena – Aereo e Traslados

Chegamos na realidade pelo aeroporto de Bratislava – um excelente hub para quem quer viajar barato pelo Leste Europeu e principalmente para Viena.  Aliás, o alto preço das passagens aéreas foi um dos motivos que me fez adiar essa viagem em outras oportunidades 😉

Fiz um post aqui no blog com os detalhes sobre o aeroporto de Bratislava e sobre as possibilidades de transfers entre Viena e Bratislava (tanto de trem quanto de ônibus). Acesse aqui!

Transporte Público e Trasnfer em Viena

Todos os deslocamentos em Viena foram feitos com transporte público ou à pé. Fizemos uso do metro e bondes/metros de superfície para nos deslocarmos pela cidade e para visitar os pontos turísticos mais afastados. Compramos o ticket de 72 horas do transporte direto nas máquinas do metro. O metro de Viena não tem cancelas, basta portar o ticket com você.

Viena – Westbahnhof

As conexões do transporte são muito boas e levam você facilmente de um ponto a outro da cidade. As estações não são profundas e não possuem tantos entroncamentos então é bastante simples e rápido se movimentar. Alguns metros são mais antiguados mas em geral o transporte é moderno.

Meus pais voaram diretamente do aeroporto de Viena para Lisboa duas noites antes de nós voltarmos para Dublin por Bratislava. O traslado deles foi realizado com transfer privado contratado pela internet. Não quis contratar o Uber porque queria deixar o serviço agendado e queria alguém com experiência em deslocamentos para aeroportos. Eles gostaram muito do serviço e da simpatia do motorista que fez de tudo para tratá-los bem mesmo com o problema de comunicação. O carro era muito bom e o preço bastante honesto, 11 euros por pessoa.

Onde nos hospedamos em Viena

Ficamos em dois bairros e opções de hospedagem distintas, primeiro um AirBnB e depois em um Hotel da Rede Motel One.

Eu gostei bastante do AirBnB. O apartamento possui uma localização charmosa, em um bairro agradável com inúmeros serviços e restaurantes e em frente ao rio – em uma área que no verão se enche de restaurantes – e também em frente ao metro (estação Robauer Lande).  O apartamento fica em um daqueles prédios antigos que quando você entra tem a sensação de que está desabitado mas assim que você abre a porta se deslumbra, pé direito alto, tudo  branquinho e morderno, calefação excelente, apartamento amplo e bem decorado.

Gostei muito do local e recomendo para casais, famílias e amigos que tenham intimidade pois tinha um banheiro dividido (vaso sanitário em uma peça e chuveiro e pia em outra – achei estranha a divisão) e uma espécie de antessala que funcionava como segundo quarto (com sofá cama). Para acessá-la precisava passar pela cozinha e para ter privacidade nela precisa fechar a porta da cozinha. Enfim, coisas de prédios antigos, adaptados para receber quatro pessoas. Mas confesso que passamos ótimos momentos ali, acho que em família um AirBnB/apartamento é outra experiência.

Hotel Motel One em Viena Prater

Com a ida dos meus Pais para Lisboa saímos do AirBnB e fomos para um hotel da rede Motel One uma grande rede alemã de hotéis que tem uma proposta de hotéis econômicos que queríamos conhecer. Gostamos bastante do Hotel Motel One Wien-Prater, localizado em Prater e facilmente acessível pelo transporte público. O Motel One de Prater mais do que satisfez nossas exigências. Quarto e banheiros amplos, pouca mobília mas de bom gosto. Decoração no estilo menos é mais e moderna. As áreas comuns muito bonitas e bons serviços. Precisei fazer uma reunião e tive um serviço de primeira, desde o café até o lobby e acesso internet.

O mais legal é que essa rede tem outros três hotéis pela cidade, sendo eles: Motel One Wien Westbahnhof, o Motel One Wien-Hauptbahnhof,  e o Motel One Wien-Staatsoper.

Essa viagem terminou com nossa volta a Dublin a partir de Bratislava. Como nosso voo em Bratislava era muito cedo optamos por dormir em um hotel próximo ao aeroporto de Bratislava e achei que foi uma ótima pedida. Escrevi sobre essa experiência aqui.

Mapa do Nosso Roteiro em Viena

Segue abaixo um mapa das atrações e estabelecimentos que visitamos em Viena. Cada dia é representado por uma cor diferente para facilitar a visualização.

Nosso Roteiro em Viena – Primeiro Dia

Nosso primeiro dia começou na parte de tarde. Depois de 3 horas de voo entre Dublin e Bratislava, esperamos 40 minutos pelo transfer e levamos uma hora até a estação rodoviária/metro de Viena. Chegando em Viena fomos até o AirBnB e demos entrada na acomodação conforme combinado com o proprietário, às 15 horas da tarde.

Saímos então para um passeio pelo centro sem compromisso e acabamos parando na primeira cafeteria que encontramos, a Aida, que pertence a uma rede com algumas filiais pela cidade. Já aviso de antemão, é difícil resistir aos cafés por lá!

Saíamos da Aida e fomos caminhando em direção ao centro. Passamos pelo Café Central e fomos dar direto na Rua Graben, a rua mais elegante da cidade.

Viena – Café Central e Interior da Catedral St Sthepen

Visitamos a Igreja de São Pedro, fomos até a Stephansplatz e por fim visitamos a Catedral St. Stephen. É claro que visitamos algumas lojinhas, tiramos muitas fotos e também compramos cápsulas de café na Nespresso (nosso AirBnB tinha uma cafeteira Nespresso, que maravilha, me senti em casa).

Viena – Interior da Igreja São Pedro
Viena – Rua Garben
Viena – Rua Graben
Viena – Rua Graben
Viena – Catedral Sao Estevão

Saímos da Catedral com uma chuva fina e com fome, fomos então procurar um local para jantar. Nossa escolha foi o Restaurante Figlmueller. Um restaurante bastante conhecido e que naquele dia encontramos ao acaso. Eu já tinha lido sobre ele então quando passamos em frente não deixei passar a oportunidade. Além disso, tinha fila e não era de turistas :). Demoramos uns 20 minutos para entrar mas valeu a espera. Comida ótima, local acolhedor, atendimento simpático e preços bem modestos para tanta fama (22,5 por pessoa, pratos, bebidas e gorjetas).

Viena – Restaurante – Figmueller

Nosso Roteiro em Viena – Segundo Dia

Nosso segundo dia começou na Michaelerplatz, porta de entrada para a visita ao Palácio Imperial de Hofburg, também conhecido como Museu da Sissi e Apartamentos Imperiais.

Viena – Michaelerplatz e Museu Palacio Imperial de Hofburg

Compramos o ingresso na hora (13,9 euros por pessoa.). Foi tranquilo, o Museu estava cheio mas não teve perrengue. Eu recomendaria a compra com antecedência do ingresso fura fila para aqueles que pretendem visitar na alta temporada.

Gostei do museu, primeiramente você visita a coleção de louças e cerâmicas, depois os apartamentos imperiais e a exposição que retrata a Imperatriz Sissi e a história que girou ao seu redor.

Viena – Museu Palacio Imperial Hofburg – Colecao de Pratas

É nessas horas que você vê a força que Hollywood tem, eles acabaram criando uma Sissi que não existia. A Sissi real é muito diferente do mito. Não vou dar uma de spoiler aqui porque recomendo a visita, vale a pena!

Saímos do Museu pela parte de trás do mesmo e visitamos o Jardim do Povo, a Rathaus e o Burgtheater.

Viena – Rathauss

Do Rathaus pegamos um tram e fomos até o Naschmarkt (mercado de comidas de Viena). Visitamos o mercado e almoçamos em um restaurante muito simpático e de nome impronunciável o “Zur eisernen Zeit”, localizado no próprio mercado. Serviço simples, local pequeno e rustico com comida típica e preços muito em conta, 12,5 euros por pessoa (refeição e bebida).

Depois do almoço continuamos caminhando pelo centro da cidade, fomos até a região dos museus (Museumquartier) mas não visitamos nenhum.

Viena – Museu no Museumquartier

Por fim passamos em frente a Ópera. Infelizmente não conseguimos conhecê-la, os horários de visitação são bem restritos. Se você quiser conhecer planeje ir a um concerto ou compre o tour guiado.

A tristeza de não conhecer a Ópera serviu de desculpa para me consolar com mais uma torta Sacher (eu no caso porque os demais não é que curtem tanto assim), fomos até o Café Sacher  mas como ele estava cheio e eu já tinha visitado a filial de Innsbruck optamos por ir no Café Mozart. Mais um café lindo, com tortas, cafés e chocolotes quentes maravilhosos.

O Café Mozart fica quase ao lado do Café Sacher em frente ao Museu Albertina, que possui uma das maiores coleções de artes gráficas do mundo. Se você curte #ficaadica.

Nosso Roteiro em Viena – Terceiro Dia

O terceiro dia foi dedicado a outro “must visit” da cidade o Schonbrunn Palace. O passeio pelo Palácio Schonbrunn é interessante, cheio de história, porém foram seus jardins que mais chamaram a nossa atenção.

Viena – chegada em Schonbrunn

Vi muitas excursões chegando ao palácio mas ele pode ser facilmente acessado com o metro, é bem tranquilo. Comprei o ticket na hora, nas próprias máquinas de autoatendimento mas soube que existem filas na alta temporada. Então fica a dica.

Viena -Palacio Schonbrunn
Palacio Schonbrunn e Vista de Viena

Nesse dia fizemos a visita com calma e almoçamos no restaurante da Gloriette, que pode ser visto na foto abaixo.

Viena -Palacio Schonbrunn (Gloriete)
Viena -Palacio Schonbrunn
Viena -Palacio Schonbrunn – jardins

Saímos do palácio por volta das 14 horas e fomos em direção a região de Prater.  Conhecemos um pouco do bairro, do Parque e do parque de Diversões e andamos no “brinquedo mais famoso” a Roda Gigante.

Vale a pena visitar o parque, a entrada é livre, você paga apenas as atrações que visita onde o valor varia entre 1,5 a 5 euros. Andamos apenas na Roda Gigante, depois de comprar os ingressos você visita um pequeno museu e depois faz o passeio em sí.

Viena – Roda Gigante de Prater
Roda Gigante de Prater e Vista de Viena

No entanto o parque tem inúmeras atrações, desde as mais calmas, como o Liliputbahn, até aquelas cheias de adrenalina como o Boomerang na foto abaixo.

Viena – Prater – parque de diversões

Nesse dia chegamos no AirbBnB à tardinha e decidimos jantarr nos arredores do bairro, minha escolha inicial era o classudinho Skopik und Lohn porém não consegui fazer a reserva. Fomos no Schöne Perle um restaurante típico de bairro. Comida simples, caseira, ambiente informal e bastante descontraído (não aceitava cartões de crédito). Novamente, pratos muito bem servidos e econômicos. Pratos, bebidas e gorjetas em torno de 15 euros por pessoa.

Viena – Restaurante – Schone Perle – pratos

Nosso Roteiro em Viena – Quarto Dia

No nosso quarto dia saímos do AirBnB e fomos para o hotel em Prater. Sem meus pais e depois de ter visitado grande parte da cidade, dedicamos o dia à visita de um famosa rua de compra da cidade, a Rua Mariahilfer.

Viena – Rua de Compras – Mariahilfer

Visitamos a região, seus cafés e lojas. Vimos lojas de artigos para casa e decoração muito modernas (vontade de despachar um container, hehe) e também perdemos tempo em grandes lojas como a calçadista Humanic e a TK Maxx. A região não é muito grande mas oferece uma ótima experiência de compras, a rua é larga, calma, arborizada e as pessoas extremamente educadas. Além disso, concentra muitas lojas de marcas europeias e americanas em um único lugar então facilita a vida.

Nesse dia queria ter ido ao Palácio Belvedere, que possui a maior coleção do mundo de quadros de Gustav Klimt mas infelizmente não consegui por motivos de trabalho, ficou a próxima.

Finalizamos nossa visita em um restaurante muito simpático chamado Ulrich. Foi um grande finale! Recomendo.

Viena – Restaurante – Ulrich

Gostei bastante dos lugares que visitamos e das escolhas gostronômicas e de hotelaria que fizemos em Viena. Conhecemos muitos bairros não só ao visitar os pontos turísticos mas por frequentar restaurantes e nos hospedarmos em bairros diferentes. Foram dias intensos mas calmos ao mesmo tempo, dignos de uma cidade de que recebe muito bem o turista.

Deixe aqui seu comentário ou dúvida

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s