Viagens de Esqui: O que levar na mala quando for esquiar

O objetivo deste post é listar aquilo que entendo que não pode faltar na sua mala ao planejar uma viagem de esqui. Escreverei sobre as roupas e acessórios que são importantes, alguns indispensáveis, para garantir sua tranquilidade enquanto desfruta sua temporada na neve. Quando falo que não pode faltar na mala não interprete isso como “tenho que comprar tudo antes de esquiar” mas de repente planeje uma parada para umas comprinhas antes, tente emprestar de um amigo, tenha claro quais seriam alguns substitutos adequados e o que se deve/pode alugar nas estações de esqui.

Eu sei que sei a temporada de esqui 2016 no hemisfério sul já está na metade e esse post mais do que atrasado. No entanto, foram tantas dúvidas nessa temporada sobre o tema que já estava mais do que na hora escrever sobre ele. E de qualquer forma, muitas “semanas brancas” virão pela frente não é mesmo? Coisa boa!

Roupas para esqui - evolução

Roupas para esqui – evolução

Para facilitar vou dividir em itens de acordo com os membros do nosso corpo.

roupas e acessórios para esqui: Cabeça

Para proteger a cabeça a melhor coisa é o capacete. Demorei a incluí-lo na minha indumentária “esquiística” mas hoje o considero indispensável. Senti falta conforme meu esqui evoluiu e alguns tombos ficaram sérios.

Roupas para esqui - Capacete, gorros e lenços

Roupas para esqui – Capacete, gorros e lenços

Apesar da questão da segurança, o capacete também esquenta a cabeça e os ouvidos melhor do que gorros, lenços e protetores de orelha além de proteger mais da neve do que o gorro da jaqueta. A vantagem é que hoje em dia ele pode ser alugado com facilidade junto com seu equipamento de esqui. Então não tem desculpa 🙂

Continuar lendo

Aosta – Onde a Itália tem cara de França

Com a páscoa chegando resolvi escrever sobre meu destino na páscoa do ano passado, o Valle d’Aosta. Meu destino final era a Estação de Esqui de Pila e no caminho passei pela cidade de Aosta, capital da região Valle d’Aosta. Como Aosta é um ponto de parada para quem vai à Pila acabei passando algumas horas na cidade.

A Região do Valle d’Aosta é a menor região da Itália e fica literalmente encravada entre os maiores Alpes Europeus.

Mapa Valle d'Aosta (wikipedia)

Mapa Valle d’Aosta (wikipedia)

Aosta não tem um aeroporto comercial, assim a forma mais fácil e econômica de chegar, é voando até Turim e de lá ir até Aosta de ônibus ou trem. Uma outra opção, melhor para quem parte do Brasil, é voar até Milão. Tanto de Turim quanto de Milão o acesso à Aosta pode ser feito por trens ou ônibus.

No meu caso voei com a Blu-Express de Roma à Turim. Recomendo a Blux-Express para esse trajeto, eles possuem muito voos e a preços conveninetes quando comprados com antecedência. Chegando no aeroporto de Turim peguei um ônibus da Sadem até a estação ferroviária de Torino Porta Susa e de lá outro ônibus da Savda até a cidade de Aosta. Precisei fazer isso porque por poucos minutos perdi o ônibus que faz o trajeto direto entre o aeroporto e a cidade de Aosta.

Importante: ao escrever esse post não econtrei mais as informações no site do aeroporto sobre a empresa que faz o trajeto direto e também fiquei sabendo que em 10.09.2012 a Savda suspendeu o serviço de ônibus de Turim mas continua com o de Milão. Como às vezes essas alterações não são definitivas deixo os links onde as informações foram encontradas aqui no blog.

Os trens, assim como ônibus, partem tanto de Torino Porta Nuova quanto de Porta Susa e o tempo de viagem leva em torno de 1 e 40 minutos. Optei pelo ônibus porque teria que esperar um pouco mais para pegar o trem, além disso o peguei em Porta Susa e não em Porta Nuova porque se tivesse que ir até, mais central, não conseguiria pegá-lo a tempo. Tanto os ônibus quanto os trens partem de Torino Porta Nuova e passam em Torino Porta Susa alguns minutos depois da partida. Na volta fiz o trajeto de trem e foi bastante tranquilo.

Aosta é uma cidade muito bonita, limpa e organizada. Uma cidade muito fofa onde a Itália tem jeito de França. A própria estação de trens é bem mais cuidada e limpa do que a maioria das cidades italianas.

Estação Ferroviária

Estação Ferroviária

Fiquei impressionada com o trem, muito moderno, novinho e limpo. Cheguei a pensar: até os trens são diferentes. Porém logo ao retornar dessa viagem, comecei a observar essa tipologia de trem em outras rotas.

Interior do Trem

Interior do Trem

Chegando em Aosta, para ir até Pila, basta caminhar ou pegar um taxi até a cabinovia. Tanto a estação ferroviária como a rodoviária, além de serem muito próximas entre sí, distam 1 quilômetro da cabinovia.

Estação Rodoviária

Estação Rodoviária

Como cheguei na metade do dia e não pretendia esquiar naquele dia, resolvi dedicar algumas horas para passear pela cidade. Foram momentos tranquilos e agradáveis.

Da rodoviária caminhei até a praça principal que dá na prefeitura, ou deveria dizer Hotel de Ville?

Centro Aosta - Hotel de Ville

Centro Aosta – Hotel de Ville

A cidade apesar de pequena, ou deveria dizer petit 🙂 , é muito charmosinha. Toda emoldurada pela montanhas com seus cumes brancos.

Centro Aosta

Centro Aosta

Centro Aosta

Centro Aosta

Chama atenção a influência francesa por alí, a maioria das pessoas inclusive é bilíngue. Língua, nomes e comidas se fundem fazendo com que o lugar se torne especial.

Centro Aosta

Centro Aosta

Centro Aosta

Centro Aosta

Passei pelas ruas para pedestres do centro, parei para um almoço rápido e depois do almoço provei o melhor sorvete de canela da minha vida em uma gelateria um pouco fora do centro, chamada Pazzo di Bianchi. O que me fez escolher aquela gelateria foi a fila, o que prova uma coisa que já tinha comentado aqui no blog, na Itália, se tem fila pode confiar. A surpresa boa foi encontrar o sabor canela que não é muito trivial pela Itália e eu amo. Um parêntesis: gosto tanto de canela que fiz um amiga levar trident de canela do Brasil para a Itália.

Depois de passear pela parte mais central passei pelas ruínas da época romana. Aosta teve uma ocupação romana grande e devido aos inúmeros achados arqueológicos é conhecida como a Roma dos Alpes.

Parte do muro de época romana

Parte do muro de época romana

Antes de terminar o passeio fui no mercadão e supermercado e fiz um comprinhas básicas para levar para a estação. Nada como vinhos italianos com cara de francês com queijos fontina e de cabra para acompanhar.  Mammamia!!

Mercado

Mercado

Vinho local

Vinho local

A cabinovia que liga Pila à Aosta é tão prática que não passei por Aosta só naquele dia. Voltei em um outro para um passeio de fim de tarde e especialmente para que meu namorado provasse o tal sorvete de canela. Ele estava super a fim de provar depois da minha propaganda. 

O único problema da cabinovia é que ela tem hora para fechar, e fecha cedo, às 19, então, depois dessa hora só com o ônibus, taxi ou carro (para quem aluga). Subir de carro é tranquilo na primavera mas pode ser delicado no forte do inverno por causa da neve.

Aosta vista da Cabinovia

Aosta vista da Cabinovia

Optei por ficar hospedada na montanha, direto em Pila, como tinha pouco tempo queria aproveitar ao máximo. Porém hospedar-se em Aosta e esquiar em Pila me pareceu muito tranquilo. Como a estação é bem pequena, vou falar sobre ela em outro post, ficando em Aosta acho que se tem um pouco mais de acesso à restaurantes, serviços em geral e até mesmo a day-trips, de esqui ou não, nos arredores.

Aosta está muito próxima de Cormayer, são poucos quilometros até a estação de esqui mais gourmet da Itália. Também é próxima de Chamonix-Mont-Blanc, que se separa de Cormayer apenas pelo túnel do Montblanc, barbadinha para fazer um bate e volta e conhecer a cidade, já para esquiar são “outros cinquecentos”. Completa a oferta de passeio pelos arredores a estação de Cervínia, que é conectada à Zermatt e Valtournenche, formando uma área de esqui  de mais de 350 km de pistas, chamada o Matterhorn Ski Paradise.

Leia mais:

O Natal na Itália, em Roma e os Presépios

Sempre que pensava em Natal na Itália e na Europa a primeira coisa que vinha na minha mente era a neve. Imaginava todo mundo em casa vendo a neve cair do lado de fora e comendo muuuiiiito dentro. Afinal, comer muito combina tão bem com o inverno…risos!

Vitrine de uma confeitaria em Turim

Vitrine de uma confeitaria em Turim

Mas a verdade é que a neve é apenas uma das coisas que deixa o cenário mais bonito. A iluminação das cidades e o frio acrescentam sempre algo de especial.

Árvore de Natal em frente ao Duomo em Milão

Árvore de Natal em frente ao Duomo em Milão

O costume de comprar as flores Stelle di Natale é também bem bacana. Elas são encontradas em todas as floriculturas, mercados e supermercados das cidades nesse época. Elas florescem justamente nos dias curtos do inverno, na época do Natal.

Flores Stelle di Natale

Flores Stelle di Natale

Porém de todos os detalhes acho que a cultura dos presépios merece destaque. É praticamente impossível não notá-los. São muitos e das mais variadas formas. Pequenos, em tamanho natural, modernos, antigos, fixos, móveis, com e sem iluminação e dos mais diversos materiais, como madeira, argila e até mesmo produtos locais.

Uma variedade enorme que pode ser vista tanto ao ar livre como nas igrejas, vitrines de lojas, hotéis e também nas casas. É praticamente impossível montar uma árvore e não montar o presépio. O presépio é tão ou mais importante do que a árvore.

Em Roma a Mostra 100 Presepi a Pizza del Popolo dá uma idéia da influência e importância dos presépios.

Presépio de Madeira em Turim

Presépio de Madeira em Turim

Presépio Reconstruindo uma Região de Montanha (Roma)

Presépio Reconstruindo uma Região de Montanha (Roma)

Presépio em Tamanho Natutal (Assis)

Presépio em Tamanho Natutal (Assis)

No Vaticano, o tradicional presépio montado na Praça São Pedro, que esse ano vem da região da Basilicata é realizado com pedras de Matera, também merece a visita. São mais de 100 estátuas e cercade 150 metros quadrados.

Passear pelos presépios no centro de Roma é uma boa forma de sentir o clima do Natal. Comece no mercadinho da Piazza Navona que apesar de não ser um mercadinho de natal tão bonito ou autêntico, quanto os que tive a oportunidade de ver em Berlim e Budapeste, sem dúvida acrescenta algo de especial a essa data. Próximo a essa praça as igrejas sempre tem presépios para visitação. Acrescente ao passeio o charme da iluminação de Natal e aproveite!!

Cruzamento entre a Via del Corso e  Via dei Condotti (Roma)

Cruzamento entre a Via del Corso e Via dei Condotti (Roma)

Para finalizar encerro esse post com um vídeo de um dos presépios mais bonitos que tive a oportunidade de ver. Localizado em um pequena igreja da cidade de Cascia. Fiquei muito impressionada quando o vi.

BUON NATALE TUTTI!!

Leia mais:

O Planejando no VnV

O post de hoje é daqueles que não dá para deixar passar. O Planejando a Viagem na Viajosfera do VnV!!!

Para quem não conhece, com certeza poucos, o Viaje na Viagem, mais conhecido como VnV, é o site/blog de viagem e turismo mais importante do Brasil e sem dúvida fico toda boba de ter uma referência ao meu Planejando por lá.

Agradeço ao VnV e toda sua equipe por essa honra!!!

O Planejando na Viajosfera do VnV

Dicas de Milão para quem está de passagem pela cidade

Esse post é dedicado à pequenas dicas sobre Milão. Uma cidade muito “carina” como dizem os italianos, que tem muito a oferecer para quem está de passagem por ela.

Ao longo desse tempo que tenho morado na Itália precisei a ir Milão algumas vezes e assim a fui conhecendo em doses homeopáticas. De certa forma me lembra um pouco como fui conhecendo São Paulo, uma viagem a trabalho, outra para visitar um amigo, um congresso e por ai via. É interessante falar sobre isso porque já vi muitos dizerem que Milão é a São Paulo da Itália e que acabaram não gostando tanto da cidade porque a mesma parece mais pulsante do ponto de vista econômico que turístico.

Milano Centrale

Comparações entre as mesmas são inevitáveis. Ambas são os centros financeiros de seus países, concentram a maioria dos eventos, é onde estão a maioria das melhores oportunidades de trabalho, etc. Porém, Milão não chega aos pés do tamanho de São Paulo não sendo sequer a maior cidade da Itália. Além disso tem um infra-estrutura de transporte público excelente que atende toda a grande Milão. Uma cidade com muita qualidade de vida e que estando situada ao norte não é tão caótica como as cidades do centro-sul, porém tem um clima clima bem mais frio.

Chegada em Milão, parecia a Rio Branco no Rio…rs…

Sendo assim, não dá para chegar em Milão esperando encontrar tantos atrativos turísticos como em Roma ou uma cidade bucólica da Toscana. É verdade, se vêem mais arranha-ceús e as pessoas parecem estarem mais naquela correria do dia-a-dia do que curtindo o dolce far niente. De qualquer forma, se você está de passagem pela cidade porque não conhecê-la mesmo que por apenas algumas horas, por um dia ou mesmo uma noite? Até porque Milão, assim como São Paulo, é também o hub aéreo da Itália e sendo assim é bem provável que você chegue, passe ou saía por ela quando vier à Itália. Aliás, Milão é também o paraíso das low-costs. A diversidade e a quantidade dos voos disponíveis por alí da inveja quando comparado com Roma. Não foi à toa que acabei pegando de lá um voo para Budapeste.

Milão é também o paraíso do shopping. Turistas russos vêm a Milão exclusivamente para fazerem compras dos artigos “Made in Italy” nas famosas ruas de grifes de alto luxo. O  melhor de tudo é que próximo dessas mesmas ruas encontram-se também os principais pontos de interesse turístico, as grandes lojas de departamentos e o comércio em geral. Então, em um dia você consegue ter uma visão de tudo e ainda de quebra fazer umas comprinhas. Tenho certeza de que não se decepcionará se estiver com a expectativa correta.

Compras

…e mais compras (Natal 2011 em Milão)

Uma vez no centro não deixe de ver a Galeria Vittorio Emanuele, o Duomo e o Castelo. Bem próximo ao Duomo fica a loja de departamentos La Rinascente.

Duomo

Assim como em São Paulo, busque jantar em um local bacaninha. No verão o point é a região Navigli. Já escutei falar muito bem e infelizmente ainda não tive a oportunidade de estar alí no verão, já no inverno recomendo a região de Brera.

Brera

Brera

Alí tive a oportunidade de provar a famosa “Cotoletta alla Milanesa” no restaurante La Cotoletteria. Também próximo tem uma sorveteria que acho muito boa chamada Amorino.

La Cotoletteria

La Cotolletta!

Gelato Amorino

Você consegue andar  por todo o centro a pé aliás, muitas ruas não permitem a circulação de carros e ônibus. Portanto, a menos que seu hotel seja no centro, recomendo o metro para se deslocar mais rápido do hotel ao centro.

Para se hospedar uma boa opção pode ser a região próxima a estação de Milano Centrale. Diferente da Estação Termini, em Roma, a região não é tão decadente e, como provavelmente você fará uma passagem rápida pela cidade, estando alí é mais conveniente para acessar o metro, a própria estação de trem ou os aeroportos da região; da estação Milano Centrale partem os serviços de shuttle da Terravision para os aeroportos de Milano Malpensa e Bergamo.

milano_bergamo_terravision_728x90_en

Já me hospedei tanto no Ibis Milano Centro quanto no Hotel Delle Nazioni, perto da estação, ambos tem uma ótima relação qualidade/preço, o segundo é mais simples e mais próximo à estação Milano Centrale.

Leia mais: