Sulmona

Usei Sulmona como base para uma viagem de final de semana cujo objetivo era esquiar. Na ocasião a cidade mais próxima das pistas não era muito atrativa em termos financeiros e devido a sua conexão ruim com Roma teríamos que passar ao menos uma noite em Sulmona, então pensamos: por que não duas? E foi assim que acabei conhecendo a cidade. O final de semana de esqui foi ótimo e conhecer Sulmona foi a surpresa do roteiro.

Como escrevi em um post anterior fomos de Roma à Sulmona com a Arpa. Lá, ficamos no Albergo Stella e gostamos muito. O pessoal do hotel foi muito, muito atencioso conosco. Falo isso com propriedade porque esquecemos no ônibus uma mochila com coisas pessoais muito importantes e eles não mediram esforços para nos ajudar.

Acho que o único inconveniente foi uma coisa que infelizmente não é de controle do hotel, o barulho nas ruas no sábado à noite. Acho que tinha um bar ou boate por perto pois o burburinho começou por volta da meia-noite, chegou ao seu ápice lá pelas duas e meia da manhã e depois, graças a deus, parou antes das três. Eu já estava no ponto de ligar para a polícia pois gritavam e brigavam tanto que achei que iriam matar alguém.

A cidade dos confetes é muito agradável. É pequena, apesar de ser a terceira maior cidade de Abruzzo, e pode ser conhecida facilmente em poucas horas. Destaque para o complexo arquitetônico de influência barroca S.S. Annunziata e para o aquetudo mediaeval. A paisagem em torno da cidade também é muito charmosa, circundada pelas montanhas nevadas e cortada por um rio.

A Cidade

Complesso S.S. Annunziata

Aqueduto Medieval

A cidade é famosa pela confecção dos confetti, doces que os italianos costumam distribuir em ocasiões especiais como primeira comunhão, casamentos, formaturas, etc. Se a palavra por acaso lembrou alguma coisa da Lacta na verdade não é somente uma coincidência, pois é justamente isso que os confetes italianos são, ou melhor, se parecem. Se lembrou o carnaval também não é a toa pois a origem do nome do confete de papel vem exatamente desse doce que na época do renascimento era jogado no ar e nas pessoas. O mais tradicional é feito com uma amêndoa e coberto com uma camada de acuçar. Porém hoje em dia existem diversos gostos, cores e formas distintas para cada ocasião.

Fabrica de Confetti

Rosa com detalhes em Confetti ou Confetti com a Rosa?

O jantar também foi bom, em um restaurante típico, familiar, ao lado do nosso hotel, ambientado em estilo medieval, inclusive com a família vestida a carater, e, para a nossa sorte, ainda aberto próximo as 22 horas!!!

Ambiente Restaurante Al Quadrivio

Anúncios

Roccaraso – Esqui no centro da Itália

Roccaraso é uma das estações de esqui mais conhecidas e equipadas da região central da Itália.  São mais de 60 km de pistas que, quando conectadas com as demais localidades que fazem parte do grupo, chegam a mais de 100km. 

Pistas para todos os gostos e dificuldades inclusive com aquelas homologadas para competições nacionais e internacionais. Uma infra-estrutura muito boa: bom número de pistas, bem sinalizadas, organizadas, com meios de elevação rápidos e o melhor de tudo, muito próxima de Roma, ótima para quem quer passar um final de semana (que foi nosso caso) ou até mesmo mais dias. 

Pista fechada e a galera observando o treinamento para Campeonato Mundial di Esqui Juniors

Na verdade todos chamam Roccaraso mas o nome oficial da estação é Alto Sangro que compreende as regiões de esqui de Monte Pratello, Aremogna, Valle delle Gravare, Macchione, Pizzalto, Lago d’Avoli, Pesconstanzo e Pescasseroli que fazem parte das cidades de Roccaraso, Rivisondoli, Pescocostanzo, Pescasseroli e Castel di Sangro.

Rivisondoli

De Rivisondoli, Roccaraso e Sulmona, de carro, facilmente se chega à Monte Pratello, Aremogna, Valle delle Gravare, Macchione, Pizzalto, Lago d’Avoli.

De Roccaraso parte um serviço de ônibus, skibus, que leva até as estações de Aremogna, Valle delle Gravare, Macchione e Pizzalto em aproximadamente 15 minutos. De todas elas você consegue chegar até Monte Pratello esquiando e vice-versa. Além disso vários hotéis possuem serviço de mini van que transportam você do hotel até as pistas.

Lift Aremogna

No meu caso, sem carro e sem poder dirigir, resolvi utilizar os meios de transportes públicos e devo dizer que a coisa não foi lá muito fácil mas foi possível. Como os hotéis de Roccaraso ou estavam cheios ou custavam muito e eu não tinha certeza se tinha transporte público de Rivisondoli até as pistas, optei por não trocar o certo pelo duvidoso e dormi em Sulmona, detalhe: a 40 km de Roccaraso.

Além disso, como saí de Roma em uma sexta-feira à tardinha e já não seria possível pegar a conexão de Sulmona a Roccaraso naquele horário ao menos uma noite teríamos que dormir em Sulmona. De qualquer forma, isto não era tão ruim pois apesar dos 40 kms distante era 300% mais em conta e também muito charmosa. Clique aqui para conferir as fotos e algumas dicas de Sulmona.

De Roma a Sulmona são duas horas em ônibus e quem leva é a Arpa. Ela também faz a conexão entre as principais cidades da região como de Pescara à Nápoles. Na verdade o ônibus que parte de Pescara à Nápoles tem uma parada em Sulmona e outra em Roccaraso e foi justamente esse ônibus que utilizei. Clique aqui para ver o timetable.

De Sulmona até as pistas a via crucius era pegar o ônibus de Sulmona a Roccaraso e de lá o skibus até uma das regiões, no caso a escolhida foi Aremogna, onde compramos os bilhetes e alugamos os equipamentos.

O tempo de deslocamento não foi um problema, nem a conexão entre o ônibus e o skibus, o problema é que existem poucos horário então, se você perde o primeiro ônibus acaba que perde a manhã de esqui. Portanto, a regra foi acordar muito, muito cedo. De segunda à sábado o ônibus parte de Sulmona às 07:45 e no domingo um pouquinho mais tarde (ainda bem, pois quem me conhece sabe que sou uma dorminhoca) às 09:00. O mesmo acontece na parte da tarde, na volta, o que te deixa um pouco apreensivo no dia de retornar pois uma conexão perdida significa um dia a mais na cidade…rs… não que eu não quizesse mas o dever, infelizmente, nos chama.

Fora isso a viagem foi ótima e unir o esqui com a viagem à Sulmona e de quebra conhecer a cidadezinha de Roccaraso foi muito bom!

Cidadezinha de Roccaraso

Roccaraso Palaghiaccio (Pista de Patinação e Centro de Eventos)

Estação Ferroviária Roccaraso

Ah, uma outra forma de chegar é com a TrenItalia, porém no inverno como a estação fica instransitável, vide a foto acima, eles disponibilizam um serviço alternativo, fazendo o trajeto de Roma a Sulmona em trem e de Sulmona a Roccaraso de ônibus. É fácil verificar isso no site porque ao comprar os bilhetes aparece a imagem de um ônibus ao invés daquela do trem. Para conferir o post sobre como comprar os bilhetes da TrenItalia clique aqui.

Leia mais: