Umbria: Assis e Perugia

Continuando o roteiro da viagem pela Umbria, que começou em Cascia, chegamos em Assis à tardinha ainda de conhecer duas das atrações da cidade. Abaixo meu relato com algumas dicas da estadia em Assis e da passagem por Perugia.

Naquele tardinha fomos até a Basílica de Santa Clara e no oratório do Crussifixo de San Damiano, lugar onde São Francisco escutou o chamado divino e que depois serviu como convento para Santa Clara e suas Clarisses.

O oratório do Crussifixo fica fora do centrinho de Assis, passamos por ele antes de estacionar e chegar na cidade. Infelizmente não podemos entrar porque estava fechado para um culto religioso. Observamos do lado de fora as pessoas que rezavam dentro.

Oratório

Logo que chegamos na cidade fomo direto à Igreja de Santa Clara. Demos sorte, apenas entramos e a porta foi fechada, fomos as últimas visitantes a entrar naquele dia.

Chegada em Assis

Praça com Igreja de Santa Clara ao fundo

Interior da Igreja de Santa

Interior da Igreja de Santa

Naquela tardinha, que em pleno janeiro era noite fechada, ainda passeamos pela cidade, tomamos um café com doces sicilianos, fomos à alguns hotéis verificar os preços e os serviços praticados e, mais tarde, saímos para jantar. Optamos pelo Hotel Belvedere porque além de um preço acessível, 2 estrelas, era bem localizado, próximo ao estacionamento onde já tínhamos deixado o carro e inclusive pago o pernoite pois não compesava pagar à parte.

Ainda na praça da Igreja de Santa Clara – castelo ao fundo

DSC03075

Assis

O lugar onde jantamos, Ristorante La Lanterna, era ajeitadinho mas infelizmente não recomendo, não que a comida seja horrível porque já disse e repito: Acho que na Itália se come bem mesmo quando se come mal. Porém a massa estava muito cozida para os padrões italianos, além disso o prato chegou literalmente voando à nossa mesa, e muito, muito quente, nunca tinha queimado minha boca comendo um prato de massa. No final minha conclusão foi que no país dos produtos frescos infelizmente o microondas foi utilizado. O Trip Advisor não mente! Uma boa dica de restaurante é a Trattoria Pallotta e de prato típico o Strangozzi al Tartufo Nero, falei sobre ele nesse post.

A Ruazinha do restaurante

A Ruazinha do restaurante

Vista pra o vale

Ao acordarmos no outro dia fomos direto conhecer a Basílica Principal, formada pelas Basílicas Superior e Inferior. Ambas muito bonitas mas sem tantas pompas justamente para respeitar a ordem de São Franciso. A cidade estava cheia e os inúmeros turistas enchiam as ruas da cidade deixando-a ainda mais charmosinha. Muitos peregrinos, padres Franciscanos e turistas davam um toque todo especial à cidade. Aliás a cidade em si é muito bonita, encravada na montanha, conservou durante o tempo seus muros e sua arquitetura. Uma cidade pequena, muito bucólica e muito bem cuidada.

Assis

Assis

Praça onde está localizada a Basílica de São Francisco

Entrada Basílica Inferior

Basílica Superior

Diferente de Cascia, que mais parece uma pequena cidade de montanha situada no meio de um vale também pequeno, Assis fica quase no topo da montanha e a paisagem que se vê de Assis para o vale  é muito bonita, tanto de dia quanto de noite.

Vista do vale

Os estacionamentos em Assis funcionam como na maioria das cidades de montanha/borgos, normalmente vários estacionamentos circundam a cidade e como às vezes pertencem a empresas diferentes você não pode reaproveitar o ticket já pago. Então, naquela manhã, mesmo depois de termos pagado em torno de 10 euros pelo pernoite no estacionamente próximo a Porta Nuova, ainda pagamos mais 4 no que estava próximo à Basílica Principal pois era mais conveniente ir de carro até lá e depois pegar a estrada de novo. Era mais conviente porque cada estacionamento estava em uma ponta diferente da cidade e as vezes caminhar tudo e voltar não compensa porque como são borgos você tem que subir e depois descer ou vice-versa.

Aqui um mapa da cidade e dos estacionamentos, é bem útil para quem está chegando na cidade se planejar e estacionar o mais próximo do ponto seu ponto de interesse. Faço um elogio à todos os estacionamentos, visto que ficam na parte mais baixa da cidade ambos pelos quais passei tinham escadas rolantes e elevadores que funcionavam. Grande detalhe funcionavam!!!

Outra questão a considerar no orçamento desse tipo de viagem é o custo com os pedágios. O Mappy embora não tenha ajudado tanto com o roteiro de ida pode dar uma boa ajuda para planejar o custo com os pedágios.

Deixamos Assis em direção à Perugia, sua arque inimiga tantos anos atrás. Perugia é uma cidade maior mas não chega a ser uma cidade grande, seus principais atrativos estão no centro da cidade, onde estão também os restaurantes e lojas.

Chegada em Perugia

Centro Perugia

Centro Perugia

Perugia, também por estar localizada no alto do vale, tem uma vista muito bonita da região mas acho que a vista que mais impressiona é justamente a de Assis. De Perugia se vê Assis ao longe e acima a motanha que naquela época estava coberta de neve.

Assis ao longe vista a partir de Perugia

Depois de uma caminhada pelo centro, fizemos  um almoço rápido em uma pizzaria e visitamos visitamos algumas lojas de chocolates, o principal motor da economia da região. Para os amantes do chocolate fica a sugestão de visitar o museu do chocolate da Perugina, a Casa del Cioccolato Perugina. 

Chocolates Perugina (foto: perugina.it)

Chocolates Perugina (foto: perugina.it)

De Perugia partímos para o nosso próximo destino: Arezzo

Leia mais:

Umbria: Cascia (Cassia)

As inspirações dessa vez foram minha mãe e avó materna. Ambas tem muita fé em Santa Rita de Cássia e eu acabei absorvendo um pouco. Por isso, quando descobri, conversando com uma de minhas colegas de apartamento em Roma, que o corpo de Santa Rita estava  na sua Basílica em Cascia fiquei muito emocionada e decidi que iria até lá conhecer e agradecer logo que aparecesse uma oportunidade. Como além de Cascia queria também conhecer Assisi, a cidade de São Francisco de Assis, não via a hora de juntar o útil ao agradável.

Já tinha um tempo que estava planejando essa viagem porém Cascia só é acessível de ônibus e as conexões de trem para Assis não são assim uma brastemp. Estava difícil encaixar ambas em uma viagem de poucos dias. Para piorar tem o fato que não posso dirigir na Itália pois não tenho a carteira de motorista italiana (ainda tenho que escrever um post sobre isso!).

Vista da Basílica de Santa Rita para a cidade e o vale

E eis que a oportunidade apareceu!! No início deste ano fiz essa viagem com uma amiga. Como ela entrou como turista e com a carteira de motorista em dia alugamos um carro e partímos. No roteiro além de Cascia e Assis, cidade de São Francisco de Assis e de Santa Clara, incluímos a também umbra Perugia e as Toscanas Arezzo e San Gimignano.

Nós em Assis

A viagem foi curta 3 dias e 2 noites já que a Umbria fica muito próxima ao Lazio, onde está localizada Roma. Alugamos um carro na estação de Termini, no início a idéia era alugar um Fiat 500 porém conseguimos uma ótima promoção na Europcar, um Smart por 25 euros por dia e não pensamos duas vezes. Tanto o Cinquecento quanto o Smart tinham aquilo que estávamos procurando, uma carro típico para fazer um giro por pequenas cidades italianas. Queríamos nos sentir como naquela propaganda onde as turistas se perdem nas ruelas em um conversível..rs. Só faltou o conversível porque se perder pelas ruelas foi facinho, facinho.

Um pequeno parêntesis aqui: só foi possível alugar o smart  porque não tínhamos muita bagagem, como o porta-malas é pequeno essa questão das malas deve sempre ser avaliada com cuidado antes de fechar o aluguel de um carro desse porte.

Smart

Demoramos quase 3 horas para chegar à Cascia porque fizemos o caminho mais longo, por Rieti e Leonessa. Praticamente cruzamos uma região de esqui dos Apeninos em pleno janeiro, ainda bem que não estava nevando, aliás, que só começou a nevar um dia depois de voltarmos a Roma!

Essa é outra questão importante e que esquecemos completamente, em janeiro, na autoestrada A1 tinham cartazes informando da obrigação de circular com pneus de neve ou de ter as correntes e nós não nos antenamos para isso no momento do aluguel. Nem muito menos o pessoal da EuropCar. Fica aqui mais uma dica!

Voltando ao roteiro, se tivéssimos ido por Terni, bastaria uma hora e meia para chegar e otimizaria muito o tempo. Ah, estávamos sem GPS pois, mais uma vez, simplesmente esquecemos dessa possibilidade. Mulheres no volante…rs…

Imagem de Santa Rita na Igreja de São Francisco em Cascia

Em Cascia ficamos aproximadamente umas três horas. Demos um tempo porque ao chegarmos vimos um cartaz informando que a a Basílica estava fechada e só reabriria mais tarde. Como era hora do almoço e da famosa “sesta” aproveitamos para comer algo em um dos poucos cafés abertos e para bater pernas pelas lojinhas. Foi aí que descobrimos que tínhamos feito o caminho mais longo de carro (graças ao google maps e ao Mappy) e que ficamos sabendo que a Basílica não fechava pois na realidade aquele horário de fechamento era do Monastério…rs. Mais uma bola fora, tudo bem, como diria o filósofo: Faz Parte!

Chegando na Basílica…

A Basílica de Santa Rita

Na fachada detalhes da Vida de Santa Rita

A Basílica por dentro

A Basílica por dentro – Capela onde está o corpo de Santa Rita

A cidade é bem pequena e todo o agito rola em torno do turismo religioso. A Basílica é pequena, simples e de estilo moderno quando comparada a tantas outras existentes pela Itália. Sem dúvida quem vai até pelo turismo religioso e pela fé em Santa Rita não se arrepende.  Além da Basílica o Monastério também deve ser visitado. Optamos por não visitá-lo naquele dia porque além de termos demorado muito tempo para chegar perdemos tempo achando que a Basílica estava fechada e não queríamos chegar muito tarde em Assis.

Não recomendo dormir por lá, existem cidades próximas bem mais charmosinhas. A própria Assis é uma excelente opção.

Centro da Cidade

Escada rolante para acesso do centro à Basílica

Continuando a viagem, dessa vez fizemos o caminho correto, e em uma hora e trinta minutos estávamos em Assis. Clique aqui para conferir a continuação da viagem e o post de Assis!

Leia mais:

Strangozzi al Tartufo Nero

Depois da abertura da temporada outono  inverno com a receitinha de risoto ao funghi com açafrão fecho a estação em grande e prático estilo: Strangozzi al Tartufo Nero.

A receita é simples e sem dúvida o mais difícil, como toda a receita italiana que se preze, é encontrar os ingredientes de qualidade. Tive a oportunidade de comprá-los em um negócio especializado quando estive na Umbria e o resultado final foi divino, bem acima da minha expectativa.

Vi os tartufos, perguntei ao rapaz que fazia o atendimento como devia prepará-los e segui a risca o seu conselho de comprar também a massa, o strangozzi, o que sem dúvida fez toda a diferença. Digo isso porque é uma massa simples, nesse caso era artesanal, feita com a farinha de grano tenero ao invés do grano duro e sem ovos, o que dá uma consistência muito diferente ao prato.

O resultado é que quando a massa é preparada, seguindo a risca o tempo de cozimento, e depois misturada ao azeite ainda quente onde foram levemente dourados os tartufos, ela absorve o azeite o transformando em uma espécie de creme. Digo e repito: muito simples e muito bom!!!

O resultado está abaixo, pena que não tinha o ralador de tartufos e tive que dar uma improvisada, mas mesmo assim o gosto não se discute.

A receita? Em uma panela esquentar o azeite de oliva e um dente de alho inteiro sem cortar, remover o dente de alho assim que dourar, desligar o fogo. Esperar  o azeite esfriar um pouco, adicionar os tartufos cortados e dourar por 2 minutos. Desligar o fogo, adicionar a a massa já cozida e salgada na panela com o óleo, acrescentar pimenta do reino, misturar e servir.

Uma dica para quem vem a Roma é provar o Cacio e Pepe com a massa Pici ao invés do tradicional spaghetti, ela se parece com o strangozzi e com tantas outras que seguem essa forma tradicional e simples de preparação.

Depois, basta escolher o vinho, de preferência Umbro e, Buon Appetito!