Passeio pelas Cinque Terre: Riomaggiore e Manarola

Dando continuidade ao roteiro pela Liguria vou contar um pouco do passeio pelas Cinque Terre.  As Cinque Terre (cinco terras) são cinco cidades localizadas na Liguria entre as cidade de Levanto e La Spezia. Essas cinco cidades estão localizadas nas saliências e reentrâncias de uma área de montanha com forte pendência em direção ao mar e juntas formam uma paisagem única e muito bonita. Esse post vai falar um pouquinho da primeira parte do passeio do primeiro dia de viagem, isto é, das duas primeiras das cinco cidades que compõem as Cinque Terre para quem vem de La Spezia que são Riomaggiore e Manarola.

Como comentei no post sobre meu Roteiro de 3 dias na Liguria, chegar em Riomaggiore vindo de La Spezia foi muito fácil. De trem, da estação ferroviária de La Spezia até Riomaggiore, foram em torno de sete minutos. Para facilitar o deslocamento compramos o Cinque Terre Card Treno, um passe, válido até as 24 horas do dia corrente em que foi validado, que incluí um dia inteiro de deslocamento de trem entre todas as cidades atendidas no trecho Levanto-La Spezia além do ingresso ao parque nacional das Cinque Terre e mais algumas outras vantagens. O passe, além de ser conviente do ponto de vista econômico também o é do ponto de vista logístico uma vez que não é necessário enfrentar nehuma fila seja para ingressar no parque seja para comprar os tickets de trem.

Compramos o passe de 1 dia tranquilamente na bilheteria da estação ferroviária de La Spezia a um custo de 10 euros por pessoa. Importante aqui é estar atento a questão da validação do passe nas máquinas eletrônicas (foto abaixo) antes da primeira utilização.

Convalidando o Cinque Terre Card

Convalidando o Cinque Terre Card

Daquilo que tinha planejado a única coisa que tinha certeza ao sair de Roma era que a forma mais tranquila de acessar Rimomaggiore a partir de La Spezia seria com o trem. A partir daí tinha deixado o resto meio que em aberto pois não sabia  se usaria as trilhas e se  faria o trajeto de volta de barco. Bem, o que aconteceu comigo em relação a isso foi que em todos os dias que passei pela região o mar, como dizem os italianos, estava mosso, isto é, bravo e portanto, não era possível o acesso por mar. Assim, comprei o passe do trem e deixei a questão das trilhas para ver no caminho.

Tanto Riomaggiore quanto Manarola são cidades muito bonitas e muito parecidas. É difícil dizer qual das duas é mais bonitinha ou agradável. Acho que na verdade ambas se complementam ao mesmo tempo que em se unem através da Via dell’Amore. De comum em respeito às demais 5Terre, como exceção de Corniglia, que fica no alto, tem o fato de que foram poupadas pelas enchentes do ano anterior. Além disso ambas tem um parte mais alta de onde é possível ter uma vista da cidade e dos terraços utilizados na agricultura e possuem uma forte pendência em direção ao mar.

Eu fazendo caras e bocas em Riomaggiore

Eu fazendo caras e bocas em Riomaggiore

Não tem muita coisa para se fazer a não ser andar pela cidade, visitando as igrejinhas e lojinhas, curtindo o dia e a paisagem sem compromissos, com direito a uma paradinha para  um café e para provar as iguarias locais. Aqui fica a dica da focaccia genovesa, típica da região.

Riomaggiore

Riomaggiore

Riomaggiore

Riomaggiore

Na direção da Via dell'Amore

Na direção da Via dell’Amore

A tal da trilha Via dell’Amore, como o próprio nome já diz, é na verdade uma caminhada muito tranquila que, partindo de Riomaggiore, desemboca diretamente na estação ferroviária de Manarola. É muito fácil e rápida de ser percorrida. No próprio site a informação é que o tempo para percorre-la é de 25 minutos, imagino que já contem inclusive o tempo para as fotos 🙂

Via dell'Amore

Via dell’Amore

Via dell'Amore

Via dell’Amore

Via dell'Amore

Via dell’Amore

Via dell'Amore

Via dell’Amore

Via dell'Amore - Chegada ou ponto de partida em Manarola

Via dell’Amore – Chegada ou ponto de partida em Manarola

Chegando na estação ferroviária de Manarola, que tem um centro de informações turísticas bem organizado, tivemos a confirmação do fechamento da trilha turística entre Manarola e Corniglia e Corniglia e Vernazza. Aliás, abrindo um parêntesis, aproveito para elogiar a organização turísticas em todos os pontos da Riviera Ligure por onde passei. A trilha azul, a chamada trilha turística, é a que percorre todas as 5Terre no nível do mar, portanto mais plana e mais curta. Ela estava fechada em duas das suas partes devido às fortes chuvas do ano anterior e como no nosso caso as demais trilhas estavam fora de cogitação, pois não tínhamos ido até alí para perder muito tempo em trilhas, queríamos mesmo era aproveitar o pouco tempo que tínhamos para conhecer as cidades, desancanamos de qualquer dúvida que tínhamos em relação a fazer ou não a trilha turística.

Para os trilheiros e fotógrafos de plantão a dica é se informar bem porque ao que parece o parque é muito bacana e organizado para a atividade de trilhas, sem falar que das trilhas mais altas as fotos devem ser maravilhosas. No entanto acho fundamental se informar sobre as condições do clima e o grau de dificuldade e tempo para percorrê-las. Alguma informação pode ser encontrada aqui.

Demos um giro rápido por Manarola e voltamos até a estação ferroviária para ir até Corniglia.

Manarola

Manarola

Manarola

Manarola

Manarola

Manarola

Fui na primavera e recomendo, no outono chove bastante e no verão imagino que o calor atrapalhe o principal passeio que é justamente o de caminhar curtindo a paisagem. O chatinho será a quantidade de turistas, hordas e mais hordas principalmente americanos e europeus do norte. O mais estranho de tudo foi que não ouvi português em nenhum dos dias pela Liguria. Fiquei impressionada, saí de Roma encontrando com um a cada esquina e alí não vi, ao menos não ouvi, nenhum.

Manarola - Tunel de acesso a estação ferroviária

Manarola – Túnel de acesso a estação ferroviária

Leia mais:

Roteiro de 3 dias na Liguria – Cinque Terre e Arredores

Recentemente fiz um passeio de 3 dias pela Liguria que gostei muito e queria dividir aqui no blog. Foram 3 dias e 2 noites dedicados ao que na minha visão a Ligúria tem de melhor. Esse roteiro utilizou La Spezia como base e visitou as famosas Cinque Terre (cinco terras na tradução para o português), Portovenere, Portofino e Santa Margherita Ligure.

O principal objetivo era o de conhecer as Cinque Terre (Riomaggiore, Manarola, Corniglia, Vernazza e Monterosso) porém o roteirinho foi engordando e no final achei que ficou de bom tamanho. Assim, esse vai ser o primeiro post de uma pequena série com roteiro e dicas de viagem sobre essa viagem pela Liguria.

Nesse post você vai encontrar uma visão geral de como chegar, se deslocar e sobre o roteiro em si. Se quiser obter mais informações sobre cada cidade clique sobre os link das mesmas.

La Spezia

La Spezia

Nesse post vou falar da viagem de um modo geral, como fui, onde fiquei, como dividi os dias e minhas impressões. Nos demais vou detalher um pouco das cidades por onde passei, sendo elas: todas as Cinque Terre (Riomaggiore, Manarola, Corniglia, Vernazza e Monterosso), a cidade que utilizei como base, La Spezia, além de Santa Margherita Ligure, Portofino e a última cidade que visitei, Porto Venere.

Onde ficamos nas Cinque Terre?

Como eram poucos dias resolvemos que escolheríamos uma cidade para montar base e que faríamos bate-e-voltas diários. Comecei procurando hotéis nas próprias Cinque Terre, dei preferência para Vernazza e Riomaggiore, pela beleza e localização, porém os preços estavam salgadinhos e acima do orçamento. Foi conversando com uma colega de trabalho italiana que surgiu a dica de procurar em La Spezia, Lerici ou Genova.

Genova foi a primeira que pesquisei porém descartei logo de início porque saindo de Roma não parecia muito bom, porém, para quem vem do norte da Itpalia pode ser uma boa opção. Lerici achei um pouco distante, fiquei com medo que pudesse atrapalhar o deslocamento. Para facilitar encontrei um B&B em La Spezia que achei que caiu como uma luva, além de ser muito elogiado no Booking me pareceu bem localizado e depois constatei que realmente era.

Era um pouco distante da estação de trens, isso eu conseguia ver pelo google maps porém não sabia se seria um problema e, como pude constatar depois, não foi. O fato da cidade ser plana ajudou bastante. Fora isso era próximo do centro, ótimo para acessar os restaurantes e fazer caminhadas no final do dia, perto do porto para passeios de barco, e também, isso descobri no último dia, da parada de ônibus para Porto Venere.

O B&B se chama Residenza Viani Guest House. Gostei bastante. Tudo muito limpo, moderninho, mesmo estando em um prédio bem antigo que está sendo formado, e de bom gosto. De qualquer forma é importante equalizar a expectativa, é B&B  não um hotel. Ficamos com a chave da porta da entrada do prédio, do apartamento e do nosso quarto o tempo todo e só vimos o dono do B&B no dia em que chegamos e no dia em que fomos embora. Ainda bem que fizemos todas as perguntas na hora do check-in, ele foi muito prestativo e deu várias dicas.

Andar do prédio onde se localizada o Residenza Viani Guest House

Gostei bastante de uma coisa que não é muito comum em B&B’s, pude pagar com cartão de crédito. Como eram poucos dias não tivemos serviço de quarto e também não tinha café da manhã apenas uma dica de que um bom lugar para o café seria a cafeteria/bar em frente ao prédio e realmente era. Aqui relembro uma constatação minha: é praticamente impossível tomar um café ruim na Itália. Ah, quando falo café me refiro à bebida em si. Quem acompanha o blog sabe que sou coffee addict.

Corredor(entrada) do B&B

Corredor(entrada) do B&B

O único inconveninente foi a questão das malas, após nosso check-out não nos deixaram deixar nossas malas no B&B. Nos disseram que o lugar para isso seria também o bar da frente. Achamos estranho mas como não tínhamos opção fomos até o bar e solicitamos o serviço, ao menos já nos conheciam, tínhamos tomado café da manhã alí os 3 dias 🙂

A atendente do bar disse que não tinha problema e nos disse para deixar as malas em um canto. Isso mesmo, um canto aberto, sem porta onde qualquer um que entrasse no bar tinha acesso. Sem escolha, deixamos 😦 afinal ainda tínhamos um dia inteiro pela frente.

Como Chegamos na Cinque Terre?

Essa foi mais uma viagem que fiz com a TrenItalia. Na verdade a TrenItalia foi praticamente minha inspiração. Queria muito conhecer as Cinque Terre porém depois da enchente que ocorreu em outubro de 2011 e que causou muitos estragos fui adiando, ficava com medo de investir e não ter retorno. Assim, quando consegui comprar passagens a 9 euros por pessoa, não pestanejei pois o investimento muito pequeno.

Achei que essa foi a viagem de trem mais bonita que já fiz pela Itália. O trem nesse caso era um FrecciaBianca o que fez essa viagem de Roma à La Spezia, 400 kms, durar 3 horas e 20 minutos. O que mais gostei foram as paisagens. Logo ao sair de Roma se pára em Civitavecchia onde já é possível ver o mar, mais adiante se cruza a Toscana com aquelas paisagens bucólicas lindas que não tive a oportunidade de ver nas vezes em que fui à Firenze (de trem). Para finalizar, logo ao se entrar na Liguria, se avistam de um lado o mar e do outro as montanhas. Muito bacana!

Para quem gosta de viagem de trem está aí uma bela dica, ir de Roma à Pisa e não de Roma à Firenze pode ser uma boa opção para se acessar a Toscana. A idéia seria de chegar em Pisa, passar o dia por alí e seguir no final do dia para outro destino. Ah, as Cinque Terre também são um belo day-trip para que está em Pisa.

O Roteiro

O roteiro desenhado tinha um “se”. O plano era dedicar o primeiro e segundo dias às Cinque Terre e o terceiro à Porto Venere. O “se” da questão era que só iríamos à Portofino se sobrasse um dia, resumindo, se conseguíssemos conhecer todas as Cinque Terre em um único dia.

Chegamos em La Spezia às 10 da manhã, fomos ao hotel, fizemos check-in e às 11:30 já estávamos de volta à estação de trens para pegar o trem local que faz o circuito das Cinque Terre. Não esperamos nem 5 minutos pelo trem que chegou lotado e saiu mais ainda. Muitos, mas muitos turistas!!! Foi o trem mais cheio que já peguei na Itália, tirei até uma foto para registrar. Ah, cogitamos ir de barco porém não era possível porque o mar estava agitado naquele  dia e ficou assim todo o final de semana. Para facilitar compramos na estação de trens o passe Cinque Terre, que recomendo para faciliar a logística (falo um pouco mais sobre ele no post sobre Riomaggiore) e, começamos a explorar.

Convalidando o Cinque Terre Card

A "lotação" do Trem:.Muitos, mas muitos turistas! Poucos, quase nenhum Brasileiro!

A “lotação” do Trem:.Muitos, mas muitos turistas! Poucos, quase nenhum Brasileiro!

Em 7 minutos estávamos em Riomaggiore, a primeira das 5Terre para quem saí de La Spezia. Da estação, subimos até a parte mais alta da cidadezinha e depois descemos até o nível do mar. Seguimos até a próxima cidade (Manarola) pela famosinha trilha Via dell’Amore. Foram um 15 minutos de caminhada tranquila com pausa para fotos.

Via dell'Amore

Via dell’Amore

Via dell'Amore

Via dell’Amore

Acessamos Manarola por cima e fomos mais uma vez descendo até o nível do mar. Na estação de trens de Manarola encontramos uma área de informação turística boa e alí ficamos sabendo que a trilha para acessar Corniglia, na verdade toao a trilha azul que liga as cidades no nivel mais baixo, o do mar, ainda estava fechada devido às chuvas de out/2011. Assim, fomos até Corniglia de trem. Novamente, em poucos minutos estávamos lá.

Mapa Turístico com os pontos de interesse da região

Mapa Turístico com os pontos de interesse da região

Na foto acima é possível ver os “X’s” que a menina do centro de informações fez sobre a trilha azul, que queríamos pegar, ainda fechada de Manarola à Corniglia e de Corniglia à Vernazza.

Manarola

Manarola

Corniglia é a única das 5Terre que fica no alto por isso, logo ao sair do trem, já é possível identificar um ônibus que faz o trajeto da estação ao centrinho da pequenina cidade. Li na internet que a cidade era de difícil acesso porque era necessário subir os degraus da estação até a cidade porém, o serviço de ônibus resolve esse problema. Corniglia de todas é a menor, caminhamos pelas lojinhas, paramos para um snack (algo parecido com um pastel, preciso descobrir o nome, que não me lembro mais, foi a coisa mais próxima de pastel que cheguei em dois anos :), vimos alguns mirantes e voltamos à estação.

Ônibus que faz o trajeto da estação ferroviária à Corniglia

Ônibus que faz o trajeto da estação ferroviária à Corniglia

Corniglia

Corniglia

Nesse momento eram aproximadamente duas  e meia da tarde e assim, decidimos que iríamos até Vernazza e que terminaríamos o dia em Monterosso al Mare, para um aperitivo à beira-mar.

Vernazza

Vernazza

Mais detalhes e fotos sobre cada uma das 5Terre e sobre os estragos causados pelas chuvas, principalmente em Vernazza, vou postar depois.

Acho importante deixar relatado de que foi tranquilo conhecer todas as cidades no mesmo dia. Ok, não fizemos nenhuma trilha além da caminhada pela Via dell’Amore, não pegamos praia porque ainda não estava tão quente para isso, não fizemos grandes paradas mas não passamos correndo pelas cidades (sempre atentos aos horários dos trens) e fora isso retornamos tarde à La Spezia, por volta das 20:30 horas. Porém, ainda assim deu para conhecer bem. Para fechar com chave de ouro o ideal teria sido ter retornado de barco e poder ter visto as cidades do mar. Infelizmente o mar não permitiu!

Monterosso

Monterosso

Com o primeiro dia todo dedicado às 5Terre, no segundo conseguimos fazer o mais longo dos bate-e-voltas, fomos até Santa Margherita Ligure e de lá até Portofino. De La  Spezia foi 1 hora em trem regional até Santa Margherita Ligure e, da estação de trens pegamos o ônibus até Portofino. Ficamos umas 2 horas em Portofino e voltamos para Santa Margherita onde ficamos mais algumas boas horas. Naquele dia voltamos à La Spezia à tardinha ainda à tempo de aproveitar uma feirinha de produtos locais que estava rolando no porto.

Portofino

Portofino

O terceiro dia foi o mais tranquilo. De ônibus de hotel à Porto Venere foram 20 minutos. Tanto a parada do onibus quanto o local onde compramos os bilhetes eram muito próximos do hotel. Porto Venere é lindinha, um gioiello e merece uma visita. Alí fizemos tudo com muita calma, o tempo praticamente parou. Ao voltar para La Spezia ainda precisamos fazer um tempo no café onde tinham ficado nossas malas porque nosso trem de volta só partia às 19.

Portovenere

Porto Venere

La Spezia também foi uma surpresa da viagem, falei sobre ela nesse post aqui, que foi o último desta série.

Leia mais: