Os Mercados Gastronômicos de Lisboa: o Mercado da Ribeira, do Campo de Ourique e de Algés

Mais um post com dicas de comidinhas, desta vez em Lisboa. Acabei de voltar de Lisboa, onde passei uma semaninha à trabalho, e finalmente estou conseguindo escrever sobre os mercado gastronômicos de Lisboa, em especial dicas sobre o Mercado da Ribeira e do Campo de Ourique.

O Mercado da Ribeira é muito antigo e fica localizado em pleno centro, no Cais do Sodré. Recentemente a Time Out realizou uma obra no local e inaugurou uma ala de restauração de fazer inveja a muitos mercados espalhados pelo mundo. Além de quiosques variados o espaço conta com lojas de souvenires e um espaço para eventos.

Mercado da Ribeira - Mesas

Mercado da Ribeira – Mesas compartilhadas

Já o Mercado do Campo de Ourique fica localizado muito próximo do ponto final do Eléctrico 28 (como os portugueses chamam os bondes). Uma dica é fazer o passeio com o elétrico 28, descer no ponto final, caminhar até o mercado para um almoço e depois retornar ao centro com o mesmo elétrico. Outra dica é sempre utilizar a palavra elétrico e nunca bonde quando for pedir informações turísticas sobre os bondes 🙂

Continuar lendo

Bate e volta a Óbidos (de ônibus)

Post para contar do bate e volta que fiz até Óbidos, uma cidade murada Portuguesa que é  uma gracinha. Foi um passeio rapidiiinho, como dizem nossos amigos portugueses, entretando mesmo sendo rápido valeu muito a pena e acho que minha experiência pode ajudar quem está planejando um day-trip até Óbidos a se organizar e a se emplogar.

Óbidos - vista de Cima do Muro com outra parte da muralha ao fundo

Óbidos – vista de Cima do Muro com outra parte da muralha ao fundo

Em função de estar trabalhando em Lisboa (muita correria, somente um final de semana livre, viagem em cima da hora, etc…) surgiu a ideia de fazer um bate e volta até Óbidos no domingo. Já tinha lido sobre Óbidos no blog do meu amigo Alessandro Ayres e estava morrendo de vontade de conhecer a cidadela; porém tinha passado o sábado inteirinho em Évora com os colegas de projeto e sem tempo para planejar (eu sei, “casa de ferreiro espeto de pau” – mas “raramente “acontece).

Assim, às 23 horas do sábado, ao chegarmos no hotel, uma colega identificou a possibilidade de irmos até Óbidos de ônibus. Como não tínhamos tido tempo para alugar um carro resolvemos encarar. Confirmamos a informação com a recepção do hotel e às 9:30 da manhã estavámos na rodoviária próxima ao Jardim Zoológico de Lisboa para pegarmos o ônibus. Do hotel até a estação optamos pelo taxi, chegamos em 8 minutos e gastamos muito pouco.

Rodoviaria ponto de patida para Óbidos

Rodoviaria ponto de patida para Óbidos

Chegando na rodoviária descobrimos que o ônibus tinha saído faziam poucos minutos e que o próximo (que iria até Caldas da Rainha e de lá teríamos que pegar um outro) sairia dentro de 1 hora e 30 minutos. Pensamos em desistir achando que o pouco tempo seria um problema, teríamos em torno de umas 3 horas na cidade.

Buscamos alternativas, chegamos a descobrir que existia uma outra rodoviária mas não conseguimos descobrir os horários por ela praticados e assim optamos por não trocar o certo pelo duvidoso. Às 11:o0 partimos. Às 12:15 chegamos em Caldas da Rainha e tivemos uma surpresinha: o próximo ônibus para Óbidos partiria somente dentro de duas horas. Passado o susto inicial, negociamos com um taxista a ida até lá que nos custou apenas 9 euros (4,5 a testa).

Engraçado é que estávamos preparadas para a “facada no preço”. Em pleno domingo, sem ônibus e tudo mais, o taxista foi super solícito e ainda nos deu a dica de como voltar para Lisboa, com o ônibus da Rápida Verde, justamente o que saía da outra rodoviária, que fica praticamente na estação do Metro de Campo Grande e da qual não tínhamos conseguido descobrir os horários.

Vista do taxi a cidade já encantava, se avistam as casinhas brancas cercadas pelo muro. Achei muito fofo e muito diferente da paisagem medieval italiana que estou acostumada. Ao chegar confirmamos no centro de informações ao turista a sugestão do ônibus dada pelo taxista. Estava tudo certinho, o que foi ótimo porque aumentou um pouco nosso tempo de estadia na cidade para quase 4 horas.

Desse ponto para frente foi só alegria. Andamos pelas ruas estreitas curtindo a paisagem.

Óbidos - Logo depois da porta de entrada

Óbidos – Logo depois da porta de entrada

Óbidos - dentro do Muro...ruelas

Óbidos – dentro do Muro…ruelas

Chamaram muito minha a atenção os vasinhos nas casas. Não resisti a esse cantinho de charme!

Óbidos - dentro do Muro...detalhes tão pequenos...

Óbidos – dentro do Muro…detalhes tão pequenos…

Aliás, a cidade toda é muito charmosa. Cada esquininha uma surpresa.

Óbidos - dentro do Muro...ruas

Óbidos – dentro do Muro…ruas

Óbidos - dentro do Muro

Óbidos – dentro do Muro

Visitamos as lojinhas e os tantos quiosques que vendem a Ginginha – um licor de cereja típico da região – servida em um copinho de chocolate comestível para a tentação de todos.

Óbidos - Quiosque de Ginjinha

Óbidos – Quiosque de Ginjinha

Subimos no muro para tirar umas fotos e qual não foi nossa surpresa ao vermos que era possível dar a volta na cidade utilizando o muro como base.

Óbidos - em Cima do Muro

Óbidos – em Cima do Muro

Óbidos - Cidade vista de Cima do Muro

Óbidos – Cidade vista de Cima do Muro

Bem legal o passeio, mas recomendo um sapato adequado. Eu estava de rasteira e sofri um pouquinho. Algumas partes são mais escorregadias e estreitas que outras.

Para quem quer conhecer a cidade de uma forma diferente, achei o máximo os carrinhos. Super Criativo.

Óbidos - Carrinhos para passear pela cidade

Óbidos – Carrinhos para passear pela cidade

Encerramos o passeio com um ótimo bacalhau no restaurante no Restaurante Petrarum Domus. Recomendo! Comida boa, preço acessível e serviço rápido – que para a gente naquele dia fez toda a diferença. 🙂

Óbidos - Bacalhau no Restuarante Petrarum Domus

Óbidos – Bacalhau no Restuarante Petrarum Domus

As quase 4 horas que passamos por lá foram bem agradáveis. Conhecemos toda a cidade, demos a volta no muro, compramos souvenirs, tiramos fotos, almoçamos e ainda paramos para a sobremesa em uma pastelaria. Fizemos de tudo um pouco porém sempre atentas ao relógio.

Não me arrependi de ter trocado o dia em Lisboa pelas poucas horas em Óbidos. Sem falar que o dia em Óbidos estava bom enquanto em Lisboa chovia canivetes. Sorte!

Depois do perenguinho da ida, a volta foi super tranquila,  apagamos no ônibus enquanto chovia forte na estrada. Essa é uma das coisas boas do transporte público: você consegue descançar no trajeto.

Eu não deixaria de conhecer Óbidos mesmo com pouco tempo pois o passeio vale a pena. A dica para quem quer ir de ônibus é ir com a Rápida Verde. As informações da linha da outra rodoviária foram muito desencontradas: erro no horário na intermet, erro na informação da vendedora sobre a conexão em de Caldas de Rainha e uma área de informação ao turista muito precária foi o que vivenciamos. Eu não recomendaria.

Na volta o ônibus nos deixou na porta da estação do metro Campo Grande de lá fomos até o Chiado terminar o dia que acabou na TO Burguer or not to Burguer Hamburgueria. Mais uma excelente dica!

Leia mais:

Compras – Shopping Centers em Lisboa

Aqui vai mais um post dedicado às comprinhas. Melhor impossível pois estamos no mês das compras do mundo: dezembro! Dessa vez a cidade a dica é de Portugal, mais especificamente de compras nos shoppings de Lisboa e Almada (margem sul de Lisboa).

Tem muita gente que questiona (alguns criticam) o fato de se viajar e comprar. Eu já deixei minha opinião por aqui e repito: acho sempre bom unir o útil ao agradável mas na dose certa de cada coisa. Algumas viagens são exclusivas para compras, o caso de Rivera, outras muito focadas em turismo com pouco tempo para comprar, outras onde até sobra um certo tempo mas faltam coisas que impulsionem algum consumismo: Cuba que o diga e mesmo assim a gente ainda volta com uns cohibas :)!

Acho que poder viajar e trazer algumas coisas diferenciadas com bons preços é na minha opinião justamente o que não tem preço. Assim sempre planejo e tento aproveitar o melhor do lugar em termos de compras. E por falar em unir o útil ao agradável, fui trabalhar em Lisboa e aproveitei para matar a saudade e comprar várias coisas que queria de várias lojas europeias que estava morrendo de saudades. Lisboa foi fácil porque já sabia exatamente o que buscava pois as lojas eram muito parecidas com o que Roma oferece.

Não acho que é o melhor lugar do mundo para compras, ainda mais com o euro da casa dos 3. Porém o que acontece é que conheço algumas marcas que julgo possuírem um ótimo custo x benefício e que mesmo com o euro nesse patamar compensam quando comparamos lojas semelhantes no Brasil.

Como tinha pouco tempo para compras os centros comerciais, forma como eles chamam os shoppings centers, me ajudaram muito. Me ajudaram mais ainda porque ficavam abertos até à meia-noite então deu para comprar com calma. Fui a três shoppings e é sobre eles que pretendo falar aqui.

O primeiro foi Centro Comercial Colombo, o segundo o Forum Almada e o terceiro o Armazens do Chiado.

O Colombo é considerado um dos maiores da Europa. Confesso que para padrões brasileiros não me pareceu tão grande assim, embora seja, a verdade é que não consegui visitar todo ele nas quatro horas em que fiquei por ali. Ele é bem moderno, fácil de andar e tem uma arquitetura muito bonita. Além de um grande supermercado e uma enorme praça de alimentação, o número de lojas é gigantesco. Sugiro olhar o site antes para ter uma ideia das lojas e não deixar passar aquelas que te interessam.

Shopping Colombo (foto: colombo.pt)

Shopping Colombo (foto: colombo.pt)

Não consegui ver tudo nas boas horas que passei lá. Mas queria destacar o que vi e gostei. De cara vi a Inglot, ótima para maquiagens, uma das queridinhas da galera no momento. Ainda nessa linha tem a MAC enquanto na linha de cuidados pessoais  a L’Occitane, a The Body Shop e um quiosque da Rituals, lojas que adoro. A Rituals chegou em SP tem pouco tempo, a Body Shop infelizmente ainda não chegou. Gosto da L’Occitane mas não são todos as fragrâncias que me chamam a atenção, a maioria não me chama, gosto bastante da linha “inodora” de manteiga de karité. O que comprei dessa linha tinha preços bem melhores do que no Brasil mas ainda assim a L’Occitane costuma ser carinha, até na Provence ela custa caro…risos.

Shopping Colombo

Shopping Colombo

Uma coisa que me chamou a atenção foi um loja do Boticário, uma não: algumas. Senti orgulho de ver uma empresa brasileira, que não a Alpargatas, em plena Europa. Por ali vi também a Amor aos Pedaços, uma Osklen e uma Colcci.

Destaco alguma lojas italianas que também gosto e fazem bons produtos como a Calzedonia, que faz vários tipos de meias que acho o máximo, a Carpisa, que tem umas bolsas com excelente custo x benefío, a Intimissimi, de lingeries e a Benetton, fast fashion italiana que dispensa apresentações e uma das lojas que confesso não consigo entender porque custa tão caro no Brasil.

Na linha fast fashion, só a Zara tem duas lojas (além da Zara Home),  sendo que em uma delas tem uma boa sessão kids. Também presentes estão a H&M, a Promod, a Bershka, a Mango e uma recém inaugurada Primark (super fast fashion inglesa que tem poucas lojas fora do UK). Aproveitei os preços descontados da coleção de verão, fui no início da primavera no Brasil, para dar uma atualizada no guarda roupa. Melhor que poder comprar é comprar aproveitando as liquidações!

A Guess também tem uma loja grande. Assim como Hilfigger Denin, Pepe Jeans Timberland, Geox e Lacoste. Para quem procura por dermo-cosméticos achei uma farmácia relativamente bem servida.  Para quem não resiste a um super mercado, tem o Continentes hipermercados. Para presentinhos tinha uma loja de canetas maravilhosa além de uma Nespresso bem grande e uma loja da Disney.

O Forum Almada, é também um shopping muito bom. A grande questão é que ele está distante do centro, na realidade, está localizado na margem sul, na cidade de Almada. Para quem quer visitá-lo é uma boa unir ao passeio até o Cristo-Rei, que também fica na outra margem.

Entrada Shopping Forum Almada

Entrada Shopping Forum Almada

A lojas são praticamente as mesmas com a diferenção que no Almada tem a Kiko e a Tezenis, outras duas italianas que amo. A Kiko vende maquiagens enquanto a Tezenis é do estilo Hering. A Tezenis é do mesmo grupo da Calzedonia.

Gostei bastante de uma loja de malas chamada Parco Martinez. Comprei uma mala pequena ali, vamos ver como se sairá, foi a primeira compra que fiz nessa loja.

A Tally Wreijl e a Desigual, fast fahions que acho super joviais, só vi no Almada assim como a Lanidor (uma marca portuguesa de vestuário feminino).

O que mais curti no Forum Almada acho que fui o supermercado. A quantidade de vinhos à disposição era enorme, e os precinhos oh: pequeninihos!!! Que saudades da Italia me bate quando vejo vinhos a 3 euros.

Supermercado Jumbo no Forum Almada

Supermercado Jumbo no Forum Almada

Sem falar das gondolas com ótimos queijos, embutidos e ali em especial: de peixes e frutos do mar. Olha só o precinho do bacalhau!!!

A ilha do Bacalhau - Supermercado Jumbo - Shopping Forum Almada

A ilha do Bacalhau – Supermercado Jumbo – Shopping Forum Almada

Na noite em que fui ao Bairro Alto observei o centro comercial chamado Armazens do Chiado e pensei consigo (como dizem os portugueses): de repente no final de semana passo nele. Deixei para ir no domingo porém me decepcionei. Ele é muito pequenino e depois de ter visitado dois shopping tão grandes, não achei que tivesse grande variedade. Também pudera, né! Devia ter ido ali primeiro.

Centro Comercial Armazens do Chiado

Centro Comercial Armazens do Chiado

De qualquer forma não perdi a viagem e acabei aproveitando a loja da Kiko para comprar uns presentinhos que tinham ficado faltando e a do Jean Louis David para comprar uma máscara capilar.

Apesar de pequeno esse shopping é muito próximo do centro e tem lojinhas bacaninhas então recomendo dar uma olhada no site e ver se as lojas que tem por ali já atendem as suas necessidades pois assim você pode inclusive evitar de encarar um centro comercial grande caso não esteja tão a fim. Outra vantagem  do Armazens do Chiado é o comércio de rua próximo a ele. Muito próximo estão lojas como Diesel na Praça Luis de Camões, a Nike e tantas outras na Rua Garret assim como o calçadão da Rua do Carmo, mesma rua em que o shopping está localizado.

Termino contando minha experiência com a Amazon. Comprei algumas coisas na Amazon UK dois dias antes de ir e mandei entregar no hotel. Com ficaria 8 dias por lá achei que teriam tempo suficiente para entregar. Correu tudo ótimo.

Alias, essa é uma estratégia que funciona bem por ali. Às vezes o estoque nas lojas físicas é pequeno mas na internet não, nesse caso comprar pela internet é uma opção que inclusive pode se realizada do Brasil antes de viagem poupando tempo para outros passeios.

Leia mais:

Dicas de Restaurantes e Comidinhas em Lisboa

Conforme escrevi em um post recente sobre o Hotel Vila Galé Ópera em Lisboa, recentemente fiz uma viagem de trabalho para Lisboa e assim vou deixar aqui algumas dicas que acho que serão úteis para quem está planejando essa trip. Escrevi sobre o hotel onde me hospedei em Lisboa e nesse post deixo dicas de alguns restaurantes, comidinhas e lugares que tive a oportunidade de conhecer ou dos quais recebi dicas mas infelizmente não consegui tempo para visitar.

Em frente ao hotel onde fiquei, localizado nas Docas próximas de Belém, fui ao Restaurante 5 Oceanos, um restaurante bem bacana, com uma decoração em vidro, com um serviço excelente e em frete ao Rio Tejo. Ótima opção para um fim de tarde/início de noite. A região das Docas oferece inúmeras opções, é difícil é escolher apenas uma, mas acho que acertamos na escolha. Comemos um arroz de polvo muito bom, polvo mais macio que filé mignon. Aliás, como fazer um excelente polvo parece ser um dos segredos mais bem guardados dos nossos amigos portugueses.

Restaurante 5 Oceanos

Restaurante 5 Oceanos

Bacaninha e bem próximo ao hotel onde me hospedei é o Quotidiano, um mistro de bistrô e bar com uma cozinha local modernizada. Muito conveniente para aqueles dias em que você chega super cansada e quer uma opção próxima ao hotel.

Outro restaurante que chamou muito minha atenção foi o Alfaia no bairro alto. É uma região muito turística assim é praticamente impossível não jantar ao menos um dia ali e o Alfaia achei uma excelente opção. Localizado em um casarão na Travessa da Queimada, o Alfaia tinha um serviço muito simpático, entradinhas ótimas e um polvo à lagareiro divino.

Restaurante Alfaia e Bairro Alto

Restaurante Alfaia e Bairro Alto

O Bairro Alto é cheio de restaurantes e tascas (os nossos botecos), quanto mais próximo do final de semana mais cheio fica à noite. Existem tantos restaurantes que é difícil escolher um só. A rua da Barroca tem uma boa concentração deles.

A essa altura já deu para notar que adoro polvo né? Mas não se preocupe não só de polvo vive a culinária portuguesa, ela vive de muito peixe isso sim. Uma sardinha ótima e muito simples provamos no O Carvoeiro em Belém. Boa pedida pra um almoço bom, barato e bem servido na região.

O Carvoeiro (foto: TripAdvisor)

O Carvoeiro (foto: TripAdvisor)

E lá fomos nós outra vez de peixe na Brasa no Restaurante A Licorista e o Bacalhoeiro, um restaurante ao maior estilo bom, barato e tipo pé sujo. Adoramos. Comida simples, boa e econômica em um ambiente muito familiar. Adorei a salada de polvo!

A Licorista e O Bacalhoeiro

A Licorista e O Bacalhoeiro

Um peixe, sempre assado na brasa, nesse caso a dorada, delicioso comi no Pé Nú, na praia de São João, na Costa da Caparica. Foi demais! Não só o almoço como o passeio. Pena que fiquei sem a foto. A beleza dos pratos e do local tornaram ainda mais especial esse almoço que pode muito bem ser um day-trip para quem vai turistar por Lisboa e quer dar um pulinho no outro lado do Atlântico.

Restaurante Pé Nú

Restaurante Pé Nú

Uma dica quente é o restaurante Largo. Um mimo em pleno Chiado. Recebi a dica, não fui e me arrependi móooooito. O restaurante é lindo e considerado um dos melhores da cidade. O melhor de tudo é que tem preço bem acessíveis quando comparados com restaurantes do mesmo nível no Brasil.

Os Rooftops de Lisboa

Inúmeros são os rooftops de Lisboa. É hemomonia entre os portugueses que conheci que é um dos melhores programas da Capital. Infelizmente não consegui ir a nenhum, mas se estivesse planejando essa trip hoje não deixaria ao menos um de fora. Acesse aqui um excelente post que fala sobre os rooftops de Lisboa.

Restaurantes em Shopping

Como fui a trabalho e queria fazer uma comprinhas, aproveitei os shoppings que ficam abertos até a meia-noite (isso mesmo até a meia-noite…achei o máximo) para dar conta dos impulsos consumistas.

Fui até o Colombo e ao Forum Almada, esse último muito perto de onde estava trabalhando, o que me fez não só jantar mas também almoçar alguns dias no shopping, por lá chamados de centros comerciais.

O legal dos shoppings é que as praças de alimentação são muito grandes e possuem muita diversidade. O melhor de tudo é que não faltavam restaurantes típicos. Gostei bastante do Serra da Estrela no Colombo e do Alentejo Pão e Azeite e Alho – esse último uma rede que está presente em ambos os shopping.

No Serra da Estrela provamos o arroz de pato, o arroz com feijão e os jaquinzinhos – uma espécie de bolinho de bacalhau.

Pratos Serra da Estrela

Pratos Serra da Estrela

No Alentejo a escolha era sempre difícil, eles tem um serviço que deixam os pratos à mostra e você escolhe um. O difícil é escolher um com tantos pratos tão lindos na minha frente. Como queria que fosse do tipo buffet por quilo para provar um pouquinho de cada.

Como adoro lula e nunca tinha comido os chocos fritos, parentes da lula e de sépia, acabei optando por eles. Detalhe: os pratos são enormes é melhor você dizer para o atendente parar de servir quando você achar que já está suficiente.

Restaurante e Pratos Alentejo Pao Azeite e Alho

Restaurante e Pratos Alentejo Pao Azeite e Alho

Os Doces

Impossível resistir a tantos doces, mas sem dúvida o pastel de Belém (pastel de nata DOC vendido na Pastéis Belém) é um símbolo da cidade. Sem falar que o lugar é muito bonito e por si só já é um passeio.

Cafe Pasteis de Belem  (foto: lisbonlux.com)

Cafe Pasteis de Belém (foto: lisbonlux.com)

Uma dica para furar a enorme fila com estilo é pedir uma mesa interna pois a fila é somente para quem pede para viagem/levar.

Ah, eu sei que não falei do Bacalhau, é que acabei provando ele em Óbidos então fica para um próximo post.

Leia mais:

O Hotel Vila Galé Ópera em Lisboa

Recentemente fiz uma viagem de trabalho para Portugal e pretendo registrar aqui no blog algumas coisas que me chamaram atenção e que entendo que são boas dicas para os viajantes mais independentes. Começo dando a dica do hotel onde me hospedei em Lisboa, O Vila Galé Ópera localizado no bairro de Alcantara.

É claro que uma viagem de trabalho é bem diferente, quisera eu ter tempo para revirar Lisboa dos pés à cabeça, além de conhecê-la melhor poderia deixar várias dicas por aqui. Infelizmente não foi dessa vez, mas acho que trouxe informações boas na bagagem. Além das comprinhas é claro 😉

Foi minha primeira vez em Portugal e consequentemente em Lisboa. Consegui conhecer muito da cidade porém só depois que o expediente acabava. Não estranhem a escuridão da maioria das fotos. Assim, pretendo deixar dicas de hotel, de comprinhas (nos shoppings), de restaurantes e de bate e voltas (com um final de semana livre deu para ir até Évora e Óbidos). Pois pois, era isso, mão a obra!

Me hospedei no hotel Vila Galé Ópera pertencente a rede Vila Galé que tem inclusive hotéis no Brasil. O hotel foi escolhido pela minha empresa em função da proximidade com o local onde deveria trabalhar. Como meu trabalho previa a ida diária até a margem sul, o outro lado do Tejo, eles optaram por esse hotel pela proximidade da Ponte 25 de abril.

Ponte 25 de Abril vista das Docas com Cristo Rei ao Fundo

Ponte 25 de Abril vista das Docas com Cristo Rei ao Fundo

A princípio fiquei com a expectativa de que o hotel era distante e que o deslocamento à noite, até a região mais central, seria chatinho; engano meu pois do hotel até o centro, mais precisamente até a região do Chiado e do Bairro Alto, eram apenas 5 minutos de deslocamento e 5 euros de taxi.

Fora isso o hotel está muito próximo (10 minutos de caminhada) da região de Belém, uma área bem turística da cidade onde ficam o Mosteiro dos Jerónimos, a Torre de Belém, o Monumento dos Descobrimentos e a pastelaria onde se vendem os famosos pastéis de Belém, além é claro, da própria Ponte 25 de abril, outro cartão postal que dá acesso a margem sul e ao Cristo Rei, mais um ponto turístico (foto acima).

Não bastasse isso o hotel fica em frente a uma parte das Docas (áreas revitalizadas do porto) que concentra uma grande quantidade de restaurantes. Opções bacanas para jantar não faltaram. Essa parte da beira-rio, próxima das Docas de Belem é bem reconhecida pelos moradores como sendo ótima para prática de esportes ao ar livre em Lisboa.

Docas e Ponte 25 de Abril

Docas e Ponte 25 de Abril

Zona Riberinha de Belem (ondelisboa.com)

Zona Riberinha de Belem (ondelisboa.com)

O hotel é um 4 estrelas grande, possui inúmeros quartos e um perfil executivo porém, no período em que estive por ali, constatei que muitos grupos também se hospedam nele. Era comum uma grande quantidade de ônibus de excursões todas as manhãs para buscar esses grupos.

atendimento, do check-in ao check-out, foi muito bom. Apesar do movimento do hotel não achei as pequenas esperas para ser atendida um problema. Recebi algumas encomendas da Amazon, estendi o horário de check-out em uma hora sem ser cobrada e tive até a sola de um sapato colada por um funcionário meio “faz-tudo” do hotel.

Hotel Vila Gale Opera - recepção

Hotel Vila Gale Opera – recepção

As áreas de uso comum eram boas, uma grande sala com inúmeros sofás e cadeiras. O saguão virava local de happy hour todas as noites. Só achei a iluminação escura.

Hotel Vila Gale Opera - lobby

Hotel Vila Gale Opera – lobby

Soma-se às dependências comuns uma academia muito bem equipada e uma piscina aquecida e coberta de um tamanho ótimo (uso a pagamento). Pena que em função do trabalho e das outras coisas que priorizei não consegui usá-la. Fechava todos os dias às 21. Ah, abria às 7 da manhã durante os dias úteis e às 9 nos finais de semana.

A área do restaurante, onde também é servido o café da manhã, é bem grande e atendia muito bem o grande número de pessoas. Somente em um dia tive que esperar alguns minutos para ser atendida.

Hotel Vila Gale Opera - restaurante

Hotel Vila Gale Opera – restaurante

Em relação ao café da manhã (quem acompanha o blog sabe que prefiro tomar o café na rua porque sou coffeaddict e gosto de café forte e bem tirado), nada a reclamar a não ser do café mesmo.

Uma mesa farta e internacional, sério, tinha para todos os gostos, desde tomates, pepinos e azeitonas para os turcos, passando pelas baguetes e pain au raisin para os franceses, cornetos para os italianos, bacon e ovos para os americanos até os funghis para os ingleses. Enfim, uma diversidade grenda porém o café, ruinzinho demais! Além do café, tinham sucos, chás e até campagne para quem estivesse mais para brunch to que breakfast.

Por último mas não menos importante: o quarto! Achei enorme, não estou muito acostumada com quartos tão grandes em minhas viagens. Bem distribuído em 21m² eu não tinha do que reclamar do tamanho, tanto do quarto quanto do banheiro. A mobília mais moderna, em tons marrons, estilo elegante/executivo. Colchões, cobertas e o principal, o travesseiro, excelentes. Nesse quesito as toalhas de banho eram as piores.

Hotel Vila Gale Opera - quarto

Hotel Vila Gale Opera – quarto

No quarto havia uma mesa de trabalho, além da possibilidade de usar a própria cômoda para o mesmo fim, cadeiras para duas pessoas e um armário grande. O frigobar era bom porém nada de snacks no quarto, o que fez uma falta em um dia que estava esfomeada. O preço dos serviços e mesmo do serviço de quarto não tinha tanto ágio, já o valor da água, 2,40 euros uma garrafinha de 200ml, achei um assalto. Nem pensar em exagerar no vinho sem comprar uns litrinhos no super antes,

Uma questão importante é o barulho. Meu quarto ficava literalmente em baixo da ponte, porém o barulho não me incomodou em nada, liguei o ar-condicionado em todos os dias e ele fez literalmente uma cortina de barulho.O principal motivo do barulho não são os carros mas os trens que ao passar na parte inferior da ponte fazem um barulho acima do esperado.

Do quarto, três observações: o mesmo problema do saguão, achei escuro;  poucas tomadas sendo que as existentes se localizavam em lugares chatinhos de alcançar como em baixo da cômoda ou tendo que tirar uma luminária da tomada (o que tornava o quarto mais escuro ainda), o acesso à rede wi-fii que não era liberado nos quartos, somente no saguão.

Para reservar pelo Booking, assim como conferir os preços, muito camaradas na minha opinião se levarmos em conta tudo o que o hotel oferece, clique aqui.

Leia mais: