Passeio pelas Cinque Terre: Monterosso al Mare

Dando continuidade ao passeio pelas Cinque Terre, depois de visitar Vernazza fomos para Monterosso al Mare. Monterosso, como o próprio nome já diz, é um pouco diferente das demais “terres”. Enquanto Riomaggiore, Manarola e Vernazza tem uma forte pendência na direção do mar e Corniliga fica no alto, Monterosso tem uma pendência bem menos íngreme, parecendo praticamente estar no nível do mar (al mare) e de todas é maior possuíndo duas partes, Fegina e o Centro Histórico.

Vernazza e Corniglia vistas de Monterosso

Chegar ali, mais uma vez, foi muito fácil. Bastou pegar o trem, novamente lotado, em Vernazza e em poucos minutos estávamos em Monterosso. A estação ferroviária de Monterosso fica em frente ao mar, mais no canto final de Fegina para quem vem de Vernazza. Bastou descer da plataforma, cruzar a rua e pronto, estávamos no calçadão à beira-mar, caminhando e curtindo o fim de tarde com os restaurantes de um lado e o mar de outro.

Confesso que em pleno final de tarde a praia não chamava tanto assim, mas os restaurantes para ficar degustando pratos locais, como aliches marinados e fritos, com um bom vinho branco em frente à praia eram muito chamativos.  Tivemos que nos controlar para não ficar por ali mesmo J Unindo as forças finais do dia, caminhamos a orla no sentido esquerdo para que está de costas à estação ferroviária. Nesse canto avistamos um estátua enorme de concreto que quase se funde com a paisagem devido à maresia.

Estátua Gigante do Deus Netuno

A partir deste canto fomos voltanto e caminhamos todo o promenade de Fegina. Fegina tem cara de balneário turístico de algumas décadas atrás. Tudo muito delicado, organizado e limpo.

Ruazinha em Fegina

Ruazinha em Fegina

Praia de Fegina (Monterosso al Mare)

Praia de Fegina (Monterosso al Mare)

No canto oposto ao da estátua gigante é possível acessar a parte antiga da cidade, através de um pequeno túnel, localizado abaixo do promotório onde fica o Convento dos padres Capuccinnos, a Igreja de São Francisco de Assis e a Torre Aurora.

Chedaga no centro histórico através do túnel

Chedaga no centro histórico através do túnel

O centrinho de Monterosso é uma gracinha. Também, maior e mais plano que as demais “terres”, são inúmeros negócios, restaurantes e bares. 

Monterosso al Mare - Centro Histórico

Monterosso al Mare – Centro Histórico

A Parrocchia San Giovanni Battista é um piccolo gioello e merece uma entradinha.

Parrocchia San Giovanni Battista

Parrocchia San Giovanni Battista

Parrocchia San Giovanni Battista

Parrocchia San Giovanni Battista

O centro histórico, assim como Vernazza, também foi castigado pelas chuvas, porém os vestígios eram mais vistos em poucas fotos espalhadas nos locais atingidos do que nas construções em sí.  As fotos abaixo ilustram o antes e o depois de um prédio no centro histórico de Monterosso.

O prédio na data da foto

O prédio na data da foto

O prédio na data da imundação

O prédio na data da imundação

Ao se caminhar essa parte mais antiga em direção ao alto da montanha é facilmente perceptível que a rua na verdade foi construída em cim do curso de um rio e acho que isso explica muito do porque da tragédia que ocorreu quando choveu muito acima do volume esperado.

Sem dúvida pela praticidade pegar praia em Monterosso deve ser mais fácil que nas outras “terres”, ainda mais se estiverem lotadas. Em Monterosso o espaço é maior e são praticamente duas praias, um mais longa em Fegina e uma menor, mais ainda assim grande quando comprada as demais terres, na parte mais antiga da  cidade. Em ambas avistei estabelecimentos de praia, que são restaurantes e bares de praia com serviço à beira-mar onde você para um total pelo aluguel de cadeiras e guardas-sóis e também à parte pelo que consome. Porém também vi trechos de praia livre (spiaggia libera, como dizem os italianos) onde não é necessário pagar por nada, basta trazer sua canga…risos.

Naquela época, em junho de 2012 só vi essas estruturas preparadas em Monterosso, mas imagino que algo parecido também seja colocado à disposição ao menos em Vernazza onde a área de praia é um pouco maior.

No final da tarde, depois de termos caminhado por aproximadamente 1 hora em Monterosso, voltamos até os restaurantes próximos à estação ferroviária para um aperitivo, porém, como já era tarde, e depois das 21 a frequência dos trens começava a diminuir, decidimos pular o aperitivo, seguir no próximo trem e ir direto jantar em La Spezia.

Assim, acabo aqui meu relato de 4 posts que comentam como foi meu dia pelas 5Terre. Mostrando que é possível fazer esse passeio numa boa desde que atento ao horários dos trens e sem muitas paradas longas.

Leia mais:

Anúncios

Passeio pelas Cinque Terre: Vernazza

Dando continuidade ao passeio pelas Cinque Terre, depois de visitar Corniglia, fui para Vernazza. Vernazza foi a mais lotada de todas as Cinque Terre que visitei naquele dia. Descer do trem já foi difícil porque muitas pessoas no lado de fora aguardavam para entrar. Somado ao grande número de pessoas está também o fato de que boa parte dos trilhos da estação ferroviária onde pára o trem ficam dentro de um túnel, o que reduz bastante o espaço disponível.

Imagino que a cidade estava lotada não só porque é considerada a mais bonita das Cinque Terre e portanto, provavelmente, a mais famosa, mas também porque foi a mais atingida pelas chuvas de alguns meses antes e com certeza isso juntou turistas, com curiosos e volutários somados à uma estrutura mais precária para recebê-los.

O que devo dizer em relação às fotos desse post é que são imagens fortes da destruição que atingiu a região. Foi impossível fotografar qualquer coisa sem que alguma ligação ao “alluvione” causado pelas chuvas não fosse perceptível. Logo que desci da estação de trens me deparei com o outdoor da foto abaixo, imagem que ainda veria em vários pontos da cidadezinha naquela tarde.

Outdoor, título: Alluvione 25 ottobre 2011

Outdoor, título: Alluvione 25 ottobre 2011

O outdoor colocado logo na entrada já causava um impressão do que estaria por vir. Mesmo com as imagens forte acho que no ar ficava uma idéia de união, de organização, de um esforço conjunto de cidadãos e voluntários, italianos ou não, com o objetivo de reerguer a cidade.

A rua principal, que desce da estação ferroviária em direção ao mar, foi muito atingida, foram mais de 4 metros de lama acumulados, e justamente alí ficavam inúmeras estruturas receptivas e lojas do comércio local.

Vernazza – Rua Principal

Vernazza – Rua Principal

Vernazza - Rua Principal

Vernazza – Rua Principal

Muito poucos negócios abertos, mais a maioria já com as reformas iniciadas ou por terminar.

Loja de produtos locais em pleno funcionamento

Loja de produtos locais em pleno funcionamento

Padaria em reformas

Padaria em reformas

Fiquei impressionada com a quantidade de turistas visitando a região não esperava que tante gente fosse considerar a possibilidade de ir até lá mesmo sabendo que não veriam a cidade exatamente como ela costumava ser.

Vi muitos americanos. Parece que muitos deles se estabeleceram, veraneam ou tem casa na riviera Ligure. Ainda essa semana prestei atenção ao fato de que o New York Times incluíu Vernazza na lista dos lugares para se visitar em 2013. É a primeira colocada da Itália, ficando em 18 lugar na classificação geral.

Vernazza

A rua principal culmina na praça central, onde naquele dia, uma exibição das fotos da tragédia (as mesmas do outdoor) e também venda de camisetas com as imagens e das próprias imagens estava acontecendo. Achei muito mórbida aquela coisa e coitado de quem tentasse tirar uma foto das fotos, tinha uma senhorinha que estava controlando atentamente e dando inúmeros esporros nos pobres turistas desavisados, bem à moda das nonnas italianas…risos. Uma experiência mais típica impossível!!!

Exibição

Exibição

Exibição

Exibição

De qualquer forma ninguém parecia se incomodar e o dia de sol, que às vezes nublava :), deixava o lugar muito charmoso, próprio para sentar nas mesinhas da praça e curtir a tarde.

Vernazza - Praça Central

Vernazza – Praça Central

Vernazza - o mar visto da Praça Central

Vernazza – o mar visto da Praça Central

Vernazza - Praça Central

Vernazza – Praça Central

De certa forma era impressionante constatar a grandiosidade do trabalho que tinha sido realizado alí. Apesar da destruição que tinha sido causada o que se via por todo lado era reconstrução e acho que isso faz uma grande diferença no ânimo.

E pensar que durante a chuva foi assim:

E que no verão de 2012 já estava assim! Ah, muitas das imagens desse vídeo estavam expostas pela cidade naquele dia e faziam parte do outdoor.

Foi depois de ver esse vídeo que vi que quando fui não estava tão cheio quanto pensava. Continuo com minha recomendaçao de ir na primavera.

Pelo que tenho lido ainda tem muito trabalho por fazer mas nada que impeça a visita ou estrague o passeio pelas Cinque Terre. Além disso por que não ira até lá e colaborar com os esforços deixando alguns trocados?

Leia mais:

Passeio pelas Cinque Terre: Corniglia

Dando continuidade ao roteiro pelas Cinque Terre vou postar alguma informação sobre Corniglia. Como comentei no post anterior, da estação ferroviária de Manarola fomos até a estação ferroviária de Corniglia. Enquanto nas cidades de Riomaggiore, Manarola e Vernazza existe uma pendência em direção ao mar e Monterosso al Mare, como o próprio nome já diz, é mais plana e no nível do mar, Corniglia é a unica das Cinque Terre em que toda a cidade fica no alto da colina.

Como também já comentei aqui no blog, antes de ir tinha lido que o acesso à cidade era chatinho porque da estação de trens era necessário caminhar um pouco e depois subir uma escada para acessar a cidade. No entanto, o que presenciei não foi isso. Logo que o trem chega já tem um serviço de micro ônibus à disposição para levar as pessoas à cidade. No entanto não dá para comer bola porque o ônibus enche rapidinho e logo já saí, só retornando de acordo com o timetable do próximo trem. Tem que ficar ligado para não perder uns minutos preciosos esperando. Assim, mais uma vez, em questão de minutos estávamos em Corniglia. Ah, o custo do micro ônibus estava incluído no passe Cinque Terre Card Treno.

Corniglia

Corniglia

A cidade acho que é a menor das Cinque Terre. Apesar de ter praia em ambos os lados, a do lado esquerdo (direção Manarola) é uma mais faixa extensa, exatamente onde está a estação ferroviária o que a deixa sem muita graça. Já a pequena prainha, mais uma calleta como dizem os italianos, do lado direito (direção Vernazza) é mais charmosinha e pode ser acessada por trilha. Descemos até próximo a ela, tiramos umas fotos e ficamos um tempo sentados no banco admirando a paisagem e uns adolescentes que tinham encarado o banho naquele dia.

Calleta em Corniglia

Calleta em Corniglia

Mirante em Corniglia

Mirante em Corniglia

No entanto, sem dúvida o mais legal em Corniglia, além do borgo em si é a vista de lá de cima. Principalmente para quem não encarou nenhuma das trilhas. Próximo à igrejinha que fica bem no alto, tem um mirante bacana com binóculos para enxergar a longo alcance. Ficamos um tempo brincando por alí até porque naquele dia um dos binóculos estava livre, funcionava sem precisar colocar os eurinhos…risos.

Mirante

Mirante

Vista de Manarola a partir de Corniglia

Vista de Manarola a partir de Corniglia

A vista dos terraços para cultivação agrícola também é bacana de se ver, tudo muito verde nessa época.

Terraços

Terraços

Fora isso é o passeio trivial de se andar pela cidade, visitar as igrejinhas e lojinhas e mangiare.

Corniglia

Corniglia

Corniglia

Corniglia

Em relação a comida fica a dica do barbagiuai, finamente encontrei algo parecido com pastel na Itália, eu provei um recheado com espinafre e mozzarella que era um espetáculo porém pelo que li o original mesmo é feito com abóbora. Como não tirei foto termino o post com a foto do barbagiuai do site Riviera24.

Barbagiuai (foto: riviera24.it)

Barbagiuai (foto: riviera24.it)

Leia mais:

Passeio pelas Cinque Terre: Riomaggiore e Manarola

Dando continuidade ao roteiro pela Liguria vou contar um pouco do passeio pelas Cinque Terre.  As Cinque Terre (cinco terras) são cinco cidades localizadas na Liguria entre as cidade de Levanto e La Spezia. Essas cinco cidades estão localizadas nas saliências e reentrâncias de uma área de montanha com forte pendência em direção ao mar e juntas formam uma paisagem única e muito bonita. Esse post vai falar um pouquinho da primeira parte do passeio do primeiro dia de viagem, isto é, das duas primeiras das cinco cidades que compõem as Cinque Terre para quem vem de La Spezia que são Riomaggiore e Manarola.

Como comentei no post sobre meu Roteiro de 3 dias na Liguria, chegar em Riomaggiore vindo de La Spezia foi muito fácil. De trem, da estação ferroviária de La Spezia até Riomaggiore, foram em torno de sete minutos. Para facilitar o deslocamento compramos o Cinque Terre Card Treno, um passe, válido até as 24 horas do dia corrente em que foi validado, que incluí um dia inteiro de deslocamento de trem entre todas as cidades atendidas no trecho Levanto-La Spezia além do ingresso ao parque nacional das Cinque Terre e mais algumas outras vantagens. O passe, além de ser conviente do ponto de vista econômico também o é do ponto de vista logístico uma vez que não é necessário enfrentar nehuma fila seja para ingressar no parque seja para comprar os tickets de trem.

Compramos o passe de 1 dia tranquilamente na bilheteria da estação ferroviária de La Spezia a um custo de 10 euros por pessoa. Importante aqui é estar atento a questão da validação do passe nas máquinas eletrônicas (foto abaixo) antes da primeira utilização.

Convalidando o Cinque Terre Card

Convalidando o Cinque Terre Card

Daquilo que tinha planejado a única coisa que tinha certeza ao sair de Roma era que a forma mais tranquila de acessar Rimomaggiore a partir de La Spezia seria com o trem. A partir daí tinha deixado o resto meio que em aberto pois não sabia  se usaria as trilhas e se  faria o trajeto de volta de barco. Bem, o que aconteceu comigo em relação a isso foi que em todos os dias que passei pela região o mar, como dizem os italianos, estava mosso, isto é, bravo e portanto, não era possível o acesso por mar. Assim, comprei o passe do trem e deixei a questão das trilhas para ver no caminho.

Tanto Riomaggiore quanto Manarola são cidades muito bonitas e muito parecidas. É difícil dizer qual das duas é mais bonitinha ou agradável. Acho que na verdade ambas se complementam ao mesmo tempo que em se unem através da Via dell’Amore. De comum em respeito às demais 5Terre, como exceção de Corniglia, que fica no alto, tem o fato de que foram poupadas pelas enchentes do ano anterior. Além disso ambas tem um parte mais alta de onde é possível ter uma vista da cidade e dos terraços utilizados na agricultura e possuem uma forte pendência em direção ao mar.

Eu fazendo caras e bocas em Riomaggiore

Eu fazendo caras e bocas em Riomaggiore

Não tem muita coisa para se fazer a não ser andar pela cidade, visitando as igrejinhas e lojinhas, curtindo o dia e a paisagem sem compromissos, com direito a uma paradinha para  um café e para provar as iguarias locais. Aqui fica a dica da focaccia genovesa, típica da região.

Riomaggiore

Riomaggiore

Riomaggiore

Riomaggiore

Na direção da Via dell'Amore

Na direção da Via dell’Amore

A tal da trilha Via dell’Amore, como o próprio nome já diz, é na verdade uma caminhada muito tranquila que, partindo de Riomaggiore, desemboca diretamente na estação ferroviária de Manarola. É muito fácil e rápida de ser percorrida. No próprio site a informação é que o tempo para percorre-la é de 25 minutos, imagino que já contem inclusive o tempo para as fotos 🙂

Via dell'Amore

Via dell’Amore

Via dell'Amore

Via dell’Amore

Via dell'Amore

Via dell’Amore

Via dell'Amore

Via dell’Amore

Via dell'Amore - Chegada ou ponto de partida em Manarola

Via dell’Amore – Chegada ou ponto de partida em Manarola

Chegando na estação ferroviária de Manarola, que tem um centro de informações turísticas bem organizado, tivemos a confirmação do fechamento da trilha turística entre Manarola e Corniglia e Corniglia e Vernazza. Aliás, abrindo um parêntesis, aproveito para elogiar a organização turísticas em todos os pontos da Riviera Ligure por onde passei. A trilha azul, a chamada trilha turística, é a que percorre todas as 5Terre no nível do mar, portanto mais plana e mais curta. Ela estava fechada em duas das suas partes devido às fortes chuvas do ano anterior e como no nosso caso as demais trilhas estavam fora de cogitação, pois não tínhamos ido até alí para perder muito tempo em trilhas, queríamos mesmo era aproveitar o pouco tempo que tínhamos para conhecer as cidades, desancanamos de qualquer dúvida que tínhamos em relação a fazer ou não a trilha turística.

Para os trilheiros e fotógrafos de plantão a dica é se informar bem porque ao que parece o parque é muito bacana e organizado para a atividade de trilhas, sem falar que das trilhas mais altas as fotos devem ser maravilhosas. No entanto acho fundamental se informar sobre as condições do clima e o grau de dificuldade e tempo para percorrê-las. Alguma informação pode ser encontrada aqui.

Demos um giro rápido por Manarola e voltamos até a estação ferroviária para ir até Corniglia.

Manarola

Manarola

Manarola

Manarola

Manarola

Manarola

Fui na primavera e recomendo, no outono chove bastante e no verão imagino que o calor atrapalhe o principal passeio que é justamente o de caminhar curtindo a paisagem. O chatinho será a quantidade de turistas, hordas e mais hordas principalmente americanos e europeus do norte. O mais estranho de tudo foi que não ouvi português em nenhum dos dias pela Liguria. Fiquei impressionada, saí de Roma encontrando com um a cada esquina e alí não vi, ao menos não ouvi, nenhum.

Manarola - Tunel de acesso a estação ferroviária

Manarola – Túnel de acesso a estação ferroviária

Leia mais:

Roteiro de 3 dias na Liguria – Visitando as Cinque Terre e Arredores

Recentemente fiz um passeio de 3 dias pelas famosas Cinque Terra na região da Liguria, norte da Itália. Gostei muito desse passeio pelas e queria dividir aqui no blog com vocês o que, na minha visão, a Liguria tem de melhor. Foi um passeio de 3 dias e 2 noites. Nas duas noites nos hospedamos em La Spezia, cidade que serviu como base para esse passeio pelas Cinque Terre. As Cinque Terras são chamadas em português de Cinco Terras e na realidade são cinco pequenas cidades, encravadas nas encostas ligureses. 

 

O principal objetivo desta viagem era conhecer as Cinque Terre (sendo elas: Riomaggiore, Manarola, Corniglia, Vernazza e Monterosso) porém o roteirinho foi engordando e incluímos  também PortoevenerePortofino e e Santa Margherita Ligure.

Continuar lendo