A Piccola Série de Posts sobre a Turquia

Fiz essa viagem 100% desempacotada e, para passar todas as dicas, roteiros e experiências sobre a Turquia, digamos que exagerei um pouco na quantidade de posts. Daí, para facilitar, resolvi fazer esse post resumo com a listinha, ordenada de acordo com meu roteiro, de todos os posts que contam tudo daquilo que planejei e vivenciei por lá.

Planejamento

Istambul

Mar Egeu (Bodrum, Gumbet e Kusadasi)

Capadócia

Geral

Turquia: Custos de uma viagem totalmente desempacotada

Antes de ir para a Turquia achei uma página na internet onde o autor relatava, em Italiano, os principais custos/preços das coisas em sua viagem para Istambul. Usei essa página ,e também uma outra, para ter uma idéia dos preços praticados e agora deixo aqui registrado, para os planejadores de plantão, os preços das coisas na Turquia nos locais por onde passei.

Obs: fora o taxi todos os demais custos, quando não especificado, são por pessoa e por trajeto.

 HOSPEDAGEM

Como comentei no post sobre o planejamento da viagem tinha estabelecido um teto de 60 euros para um casal por noite e não tive nenhuma dificuldade de encontrar hotéis no padrão 3-2 estrelas nesse preço em todas as cidades turcas por onde passei. Para mais detalhes sobre os hotéis e os preços praticados recomendo a leitura dos pots específicos.

 TRANSPORTE PÚBLICO

Acostumada com o tickect do metro de Roma a 1 euro (2,5 reais) e, integrado, achei o preço dos bilhetes em Istambul mais salgadinhos mas ainda assim convenientes. 1 jeton custava 2 LT (liras turcas, aprox. 2 reais), porém dava direito a um trecho sem integração, isto é, se você tivesse que trocar do metro para o tram e depois para o funicular precisaria de 3 jetons. A maioria dos trechos exigia ao menos uma troca. Ainda em Istambul o transporte público fluvial que utilizamos para ir até Kadikoy custou 4 LT.

De Bodrum à Gumbet a minivan (dolmus) custou 3 LT.

Em Kusadasi as minivans(dolmus) para se locomover entre os principais pontos da cidade custavam 2,25 LT.

 TRANSPORTE INTERMUNICIPAL

A ida à Éfeso, de Kusadasi à Selcuk parando em Éfeso, custou 5 LT.

Para ir a Pamukkale, pagamos 25 LT de Kusadasi à Denizli e depois 5 LT de Denizli à Pamukkale 5 LT.

Já na Capadócia utilizamos o transporte intermunicipal para ir até a Cidade Subterrânea. Assim de Goreme à Nevsehir pagamos 2,5 LT e de Nevsehir à Derinkuyu 5 LT. Ainda na Capadócia de  Goreme à Urgup nos custou 2,5 LT.

 TRASLADOS

Em Istambul, do Aeroporto de Ataturk ao Hotel em Sultanahmet fomos com transporte público, 2 jetons por pessoa. Do mesmo hotel ao Aeroporto Sabiha Gokcen foram 10 euros.

Em Bodrum, do aeroporto à rodoviária, com o ônibus da Pegasus Arlines foram 10 LT.

De Kusadasi ao aeroporto de Izmir, com a Last Minute Travel (parceira da Pegasus) foram 20 LT.

Na Capadócia, do aeroporto de Kayseri à Goreme, fomos com a PeerLess (parceira da Pegasus Airlines), por 19 LT e voltamos com a Argeus (parceira da Turkish), por 17 LT.

 TAXI

Pegamos muito pouco taxi, foram somente duas corridas.

Em Istambul, o taxi do Ibis Aeroporto até o Aeroporto custou em torno de 23 LT.

Em Kusadasi, do porto até a estação de ônibus, às 4 da madruga, pagamos 15 LT.

 ENTRETENIMENTO (preço dos principais museus e passeios)

A maioria das atrações pareciam terem preços tabelados.

Em Istambul o Haga Sophia e Topkapi custaram 25 Liras Turcas. No Topkapi para ver o Harem paga-se um adicional de 10 LT. A Cisterna também custou 10 LT. Enquanto o barco no porto que faz o tour pelo Bósforo custou 12 LT.

Na Capadócia o Museu a Céu Aberto de Goreme também custou 25 LT, no entanto para ver a Dark Church para-se um adicional de 8 LT. A Cidade Subterrânea custou 20 LT e o passeio de balão 90 euros.

A entrada em Pamukkale custou 20 LT e em Éfeso 25 LT.

As Mesquitas são gratuitas em todas as cidades.

Na maioria das praias onde fomos não se pagava nada pela cadeira e barraca de praia/guarda-sol bastava consumir um valor que girava de 8 à 10 LT (para duas pessoas).

 ALIMENTAÇÃO (preços de refeições de bebidas)

Refeição rápida (lancherias, kebaberias e suas inúmeras variações) – de 4 a 8 LT.

Uma refeição em um restaurante padrão normal – de 15 a 25 LT por pessoa.

Cerveja ou taça de vinho da casa – de 5 à 12 LT.

Chá  – de 1 à 3 LT.

Café Turco – de 3,5 à 6 LT.

Ayran – de 1 à 3 LT.

Aguá – cheguei à conclusão que era tabelada. Tanto nos inúmeros vendedores ambulantes quantos nos mini-mercados custava 0,5 LT cada meio litro. Só encontrei por menos em um supermercado maior porém eles são mais difíceis de encontrar.

Leia mais:

Pamukkale – O Castelo de Algodão

Depois de Éfeso desempacotada e com transporte público foi a vez de encarar a ida de Kusadasi até Pamukkale, na Turquia, também desempacotada mas com ônibus intermunicipal de uma empresa privada da região, a Pamukkale.

Ônibusda Pamukkale para Pamukkale

Ônibusda Pamukkale para Pamukkale

Ao planejar observei que a distância não era tão grande porém, com o uso de ônibus, o tempo de viagem aumentou. Acredito que isso se deva ao respeito aos limites de velocidade e as paradas nas diversas cidadezinhas do caminho. A distância mais curta entre Kusadasi e Pamukkale é de 185 km porém com ônibus intermunicipal não é possível ir direto, é necessário ir até Denizli e de lá pegar uma minivan (dolmus) até Pamukkale, assim foram 186 km até Denizli e depois 20 km de Denizli à Pamukkale.

Chegamos na rodoviária de Kusadasi na hora em que o ônibus estava saindo e por muito pouco, graças a uma corridinha minha, não o perdemos. Saímos de Kusadasi às 09:00 da manhã e chegamos em Denizli 3 horas e 15 minutos depois. A viagem foi tranquila. A estrada é praticamente uma reta e os ônibus, como já comentei, são muito confortáveis. Possuem serviço de bordo, internet, serviço de entretenimento e ar condicionado. Só falta mesmo o banheiro.

Logo ao chegar na estação de ônibus de Denizli já se avistam as minivans que levam, em 30 minutos, até Pamukkale. Precisamos esperar 15 minutos pela minivan e foi bom porque aproveitamos para almoçar, nos informar sobre os horários de retorno e comprar as passagens de volta. A menos que não quizéssemos dormir por alí retornaríamos no ônibus das 18 e portanto, na minivan das 17.

Às 13 horas cruzávamos o portão inferior de entrada no parque. Depois vimos que existe um estacionamento e uma entrada na parte superior, próximo ao Museu.

Vista da entrada do parque

Vista da entrada do parque

No foto acima, à esquerda, fica uma estrutura com piscinas que não faz parte do complexo. É na verdade um hotel, talvez uma boa opção de hospedagem na região.

Com os relógios devidamente sincronizados tínhamos quatro horas para aproveitar o Castelo de Algodão. E foram 4 horas mágicas! O lugar é muito diferente de tudo que já tinha visto até então. Chegamos no forte do sol, estava bem quente mas isso não nos impediu de aproveitar até porque a temperatura da água é muito agradável.

Piscinas em Pamukkale

Piscinas em Pamukkale

Fiquei impressionada porque vi muitas pessoas sem trajes de banho. Foram para conhecer e caminhar. Que pena! Lá pelas tantas tinham uns e umas que não resitiam e se jogavam de vestidos e bermudas. As piscinas podem e devem ser aproveitadas! É verdade que as piscinas onde se pode tomar banho não são naturais (foto acima), foram construídas para esse fim, para preservar os terraços originais (foto abaixo), que estavam sendo degradadas pela má exploração do tursimo; porém isso não prejudica o passeio.

Terraços

Terraços

Piscina

Piscina

Ao planejar a viagem cheguei a pensar em não ir porque imaginei que a água fosse quente e com quase 37 graus de temperatura ambiente a minha pressão iria parar na sola do meu pé. Mas nada disso. A temperatura da água é ótima e o fundo das piscinas é um pouco argiloso, muito bacana a sensação.

Entramos pela entrada inferior e cruzamos todas as piscinas e terraços até o nível superior. Como a áera é escorregadia você tem que andar devagar e com os pés descalços e isso toma um certo tempo. É importante andar com cuidado para não levar um tombo ou coisa pior.

Pamukkale

Pamukkale

É lindo de ver, tudo branquinho, com  aguá escorrendo pelo calcário já acumulado. O difícil é tirar  fotos. Tudo brilha muito. Olhando parece até neve! Nada mais apropriado que o próprio nome, que em português, significa Castelo de Algodão.  Além do bikini não esqueça os óculos de sol, o protetor solar e algo para se cobrir, pois com tanto entra e sai de piscina em piscina o protetor vai saindo junto. Minha canga foi minha salvação senão eu é que viraria um kebab.

Lá de cima, o panomara do vale também surpreende. Um ótimo lugar para relaxar.

Vista do Vale

Vista do Vale

Os romanos já sabiam das propriedades da água da região tem longa data, tanto que estabeleceram alí uma cidade. A Hierapolis. Hoje o sítio arqueológico dessa antiga cidade grego romana pode ser visitado e também o museu que abriga artefatos históricos.

Hierapolis

Hierapolis

Hierapolis

Hierapolis

Próximo à entrada do Museu e do sítio arqueológico uma área de lazer com uma piscina de água natural, a “Sacred Pool”, restaurantes e diversos tipo de serviços.

Infra estrutura

Infra estrutura

Sacred Pool

Sacred Pool

A piscina é bem interessante. Além de ter água termal, ela possui ruínas da antiga cidade, que podem ser vistas na fotos, são colunas de mármore que cairam em função da ação do tempo. É interessante também a vista, ao fundo avistam-se as ruínas do sítio arqueológico.

Em função do tempo curto e por termos priorizado as piscinas da outra parte, não conseguimos aproveitar a Sacred Pool nem conhecer o sítio arqueológico mas como esse não era o foco inicial do passeio, na verdade, também desconhecia essa parte, digamos que não doeu ter de deixar para uma outra oportunidade.

Os que pretendem fazer esse passeio com excursão podem também ficar sem tempo para fazê-lo se não priorizarem ou otimizarem seu tempo.  Pelo que pesquisei em Kusadasi antes de optar pelo “desempacotamento” até as excursões levam cerca de 4 horas para chegar e ficam em torno de 4 horas no lugar.

Fazendo um balanço, em termos de tempo, a ida desempacotada com ônibus intermunicipal é praticamente igual ao pacote/excursão. No entanto o primeiro pode gerar uma tensão adicional em função dos horários justos porque não existem muito horários disponíveis ligando Denizli à Kusadasi. Em termos de custo gastamos um pouco menos, lembro que o passeio custava 80 euros por pessoa e da forma como fizemos a economia foi de 20%.

Para aqueles que querem aproveitar todas as atrações com calma sugiro dormir uma noite em Pamukkale, a cidade é bem pequena, não tem muitos atrativos e quando fui era cercada de coreanos por todos os lados porém o que importa mesmo ali é o parque natural. Nesse caso acho que é indiferente ir de ônibus ou carro. No entanto se fosse fazer de novo um bate e volta talvez alugasse um carro, assim não teria a questão dos horários apertados somente o problema do cansaço da volta porque depois de tanto sol e tantos banhos devo dizer que foi ótimo apagar no bus!!

Para ler mais: