Viagens de Esqui: O que levar na mala quando for esquiar

O objetivo deste post é listar aquilo que entendo que não pode faltar na sua mala ao planejar uma viagem de esqui. Escreverei sobre as roupas e acessórios que são importantes, alguns indispensáveis, para garantir sua tranquilidade enquanto desfruta sua temporada na neve. Quando falo que não pode faltar na mala não interprete isso como “tenho que comprar tudo antes de esquiar” mas de repente planeje uma parada para umas comprinhas antes, tente emprestar de um amigo, tenha claro quais seriam alguns substitutos adequados e o que se deve/pode alugar nas estações de esqui.

Eu sei que sei a temporada de esqui 2016 no hemisfério sul já está na metade e esse post mais do que atrasado. No entanto, foram tantas dúvidas nessa temporada sobre o tema que já estava mais do que na hora escrever sobre ele. E de qualquer forma, muitas “semanas brancas” virão pela frente não é mesmo? Coisa boa!

Roupas para esqui - evolução

Roupas para esqui – evolução

Para facilitar vou dividir em itens de acordo com os membros do nosso corpo.

roupas e acessórios para esqui: Cabeça

Para proteger a cabeça a melhor coisa é o capacete. Demorei a incluí-lo na minha indumentária “esquiística” mas hoje o considero indispensável. Senti falta conforme meu esqui evoluiu e alguns tombos ficaram sérios.

Roupas para esqui - Capacete, gorros e lenços

Roupas para esqui – Capacete, gorros e lenços

Apesar da questão da segurança, o capacete também esquenta a cabeça e os ouvidos melhor do que gorros, lenços e protetores de orelha além de proteger mais da neve do que o gorro da jaqueta. A vantagem é que hoje em dia ele pode ser alugado com facilidade junto com seu equipamento de esqui. Então não tem desculpa 🙂

Continuar lendo

Livigno: O “Piccolo Tibet” Italiano

A INSPIRAÇÃO

Esquiar, esquiar e esquiar!!! Ainda por cima: pela primeira vez na Europa! Estava na maior expectativa para conhecer uma estação de esqui Italiana, assim, nada melhor que a semana do Natal, já que estavámos em Roma longe da família no Brasil, para curtir o Natal no maior estilo europeu: na neve! E bota neve nisso!

O ROTEIRO

Uma semana de esqui em uma estação de esqui italiana. Na verdade em uma cidade de montanha, situada em um vale, circundado por duas montanhas (Mottolino e Carosello 3000), que oferecem uma área para esqui de aproximadamente 115 km. A cidadezinha, chamada Livigno, é um charme como toda cidade de montanha porém, simples e com um estilo bem rústico. Faz fronteira com a Suíça e isso a torna uma região tax free, então, além de tudo é ótima para compras, principalmente de acessórios para esqui de marcas de ótimo custo x benefício.

Vista do Vale e da Cidade

SE DESLOCANDO

Chegar nessas cidades leva um certo tempo porque você tem que pegar um avião ou trem até uma cidade principal, e de lá acaba por pegar um trem e/ou um ônibus até seu destino final. Alugar um carro é também uma opção mas considere que além de ter que dirigir na neve é bem provável que o carro fique parado a maior parte do tempo. No nosso caso fomos até Milão, de Milão em trem até Tirano (aprox. 3 horas) e de Tirano até Livigno em ônibus (aprox. 2 horas). Chegar foi tranquilo, apesar da viagem longa, depois de um deserto de neve, momento em que você pensa onde raios eu fui me meter, você vê a cidade lá embaixo no vale e parece até paisagem de filme! Lindo!

O ônibus nos deixou em um ponto central de onde pegamos um dos três ônibus públicos e gratuitos que cortam todas as ruas dessa cidadezinha e, em aproximadamente 10 minutos, chegamos ao nosso hotel. O serviço de transporte público é ótimo e cobre todos os principais pontos de interesse, acho que o único ponto negativo é que ele termina às 7 horas da noite então, depois desse horário só o expresso canelão.

ACOMODAÇÃO

Como sempre, existem muitas possibilidades de acomodação, vai do gosto e vontade de cada um. No nosso caso ficamos em um hotel onde fomos muito bem recebidos e mimados. O Hotel Marzia é conveniado à estrutura que administra as pistas de esqui e, sendo assim, na semana que terminava justamente no dia 25.12.2010 oferecia o passe para esquiar gratuito para aqueles que se hospedassem por no mínimo 4 noites.

Aliás, essa é uma prática comum na Itália, principalmente na pré-temporada (até próximo ao Natal) e no final de temporada (abril). No entanto, o hotel escolhido precisa ser conveniado.  Outra prática comum é vender os pacote de 7 noites, normalmente de sábado à sábado.

Hotel Marzia

A estrutura do hotel era ótima, os quartos muito bons, com sacadinhas muito charmosas para ambas as montanhas do vale,  paradas de ônibus muito  próximas, café da manhã muito bem servido, o que é imprescindível para um dia de esqui, e também com uma infra-estrutura excelente de bem-estar e para o depósito dos equipamentos.

Estrutura para depósito dos equipamentos

Enfim, um hotel ski-in ski-out ou, como se diz na Itália, sci ai piedi, isto é, você sai do seu hotel, caminha 5 minutos e já está em uma estrutura que leva você para o alto da montanha. No final do dia, você sai da montanha e em minutos chega ao hotel e já deixa todo seu equipamento no próprio hotel, sem ter que alugar um looker no centrinho da cidade e só depois ir para o hotel.

Fica uma exceção aqui se você quizer alcançar pontos esquiavéis mais distantes do hotel, não será tão ski-in ski-out assim porém, o ônibus público cumprirá a sua tarefa e o pegará/deixará na porta do hotel.

Fomos tão mimados no hotel que ganhamos  presentes de Natal, chocolates e Grappa, um ticket de 1 hora no Aquagranda (spa) e um passe diário para ser usado em St Moritz. Pois é, a estação de ski da cidade de Livigno têm uma espécie de convênio com a famosa estação de esqui de St. Moritz na Suíça. No final não fomos até lá mas, nem preciso dizer, nos arrependemos muito.

A única desvantagem do hotel é que ele está situado à 1 km do centrinho então, depois das 19 horas para voltar para o hotel só caminhando.  Eu achava tranquilo porém caminhar  aproximadamente 15 minutos, com temperatura de -12 a -24 graus e com muita, muita neve, pode ser tão divertido quanto congelante.

A Temperatura naquela tarde…

ENTRETENIMENTO

Se come muito bem e, em geral, barato. As especialidades da região, conhecida como Alta Valtelina são ótimas. Além disso, é como sempre digo, impossível comer mal na Itália! Como falei antes, a cidade é simples e apesar de existirem hotéis 5 estrelas e inclusive um restaurante estrelado Michelin, o luxo não é o forte do lugar. É muito frequentado por Italianos e Suícos em busca de bom esqui, compras, after-skis mas, não pelo luxo.

Se você quer mais pompa e circunstância na Itlália terás que ir até Cortina D’Ampezzo ou cruzar a fronteira em direção à Suíça e à alguns resorts da França e da Áustria.

Centro da Cidade

Além de toda a estrutura dedicada ao esqui,  ao snowboard e ao esqui nórdico, assim como aos eventos à eles relacionados, a cidade também oferece outras opções de divertimento na neve, como trilhas, cavalgadas e outras mais que podem ser vistas no vídeo. Além destas opções tem o Aquagranda ( uma estrutura enorme de wellness com vários tipos de piscinas, saunas e tratamentos estéticos). As compras, os mercadinhos de Natal e os eventos de esculturas no gelo completam as opções de lazer. Enfim, divertimento não falta!

Loja tax free da Guess

SOBRE O ESQUI

Alugar equipamaneto é simples pois existem várias lojas de aluguel na cidade. Já alugar roupas, como normalmente se faz quando se vai esquiar na Argentina ou no Chile já não é tão fácil. Os preços para aluguel de equipamento também são acessíveis quando comparados aos nossos vizinhos, paguei em torno de 70 euros uma semana de equipamento. Os equipamentos mais profissionais começam na fixa dos 80 até em torno de 100 euros.

O passe, conforme já tinha tido, saiu de graça mas, como a área esquiável é grande, boa para quem planeja ficar um semana, o passe apesar de salgadinho vale a pena. Para conferir os valores indico o Skiinfo até porque os preços mudam de estação para estação e por temporada.

Os meios de elevação eram bons, na sua grande maioria rápidos. Nas áreas de inciantes muitas esteiras o que acho que facilita a vida de quem está começando. O perfil das pistas é mais voltado para os níveis iniciantes e intermediários, poucas pistas pretas.

Esteira em pista para inciante

Meio de elevação no Carosello 3000

A infra-estrutura dos refúgios também é excelente. Como não sou uma expert em tipos de neve, para isso recomendo também o site Skiinfo, o que posso dizer é que ela não faltou em nenhum momento, muito pelo contrário, sobrou! Porém, conheci a cidade no Natal de 2010  justamente quando uma nevasca atingiu essa região, bom acho que dá para notar pela quantidade de neve nas fotos, de qualquer forma eles possuem muito canhões de neve para serem usados caso sejam necessários e caso o tempo permita.

Refúgio no Carosello 3000

O saldo final da viagem foi de seis dias de esqui. Mesmo apesar do mal tempo, isto é, muita neve, foi possível esquiar todos os dias mesmo que em alguns por pouco tempo. Alguns dias lindos de sol já outros, com pouca luz mas com muita neve. Enfim, um Natal Branquinho e muito bem aproveitato. E, que venha o próximo, Via Lattea 2011!

Leia mais: