Páscoa na Suíça: Nove dias entre a Suíça Francesa, Berna e Zermatt

Finalmente escrevendo sobre a viagem pela Suíça que tive a oportunidade de fazer na Páscoa deste ano de 2016. Nunca tinha visitado a Suíça e estava adorando a oportunidade de conhecer a famosa terra dos chocolates suíços (e muito mais!) em plena Páscoa. O grande motivador desta viagem foi novamente o esqui. Eu e meu namorado queríamos muito, mas muito, esquiar em Zermatt. Como já escrevi diversas vezes aqui no blog, sempre que fazemos uma viagem de esqui temos por hábito conhecer alguma capital, cidade ou região de interesse próxima ao local onde iremos esquiar. Desta vez decidimos que iríamos fazer os pontos altos da Suíça Francesa e depois nos dirigíamos até Zermatt.

Souvenirs Suíça

Nosso roteiro ficou assim: chegamos por Genebra, onde passamos o primeiro (e também o último) dia antes de no dirigimos até Lausanne; cidade que escolhemos como base. Em Lausanne ficamos três noites porém a partir dela exploramos também Montreux, Vevey no segundo dia, e Berna e Fribourg, no terceiro. No quarto dia fomos para Zermatt onde ficamos cinco noites.

Os post sobre cada um dos dias de passeio nas cidades citadas acima foram escritos em separados e encontram nos links de cada nome de cidade. Nesse post aqui irei me deter a assuntos e informações importantes sobre esse roteiro e sobre a Suíça.

O AEREO – O VOO DE IDA E VOLTA DA SUÍÇA

Essa viagem começou e terminou por Genebra. Voamos de Dublin à Genebra com a Swiss. Um voo ótimo, apesar do atraso de uma horas. Ironia do destino (risos). Voar econômica com a Swiss nem se compara com a experiência Ryanair ou mesmo Airlingus :), companhias aéreas mais populares aqui de Dublin.

Experiencia Swissair

Serviço de bordo com direito a vinho suíço, quiches e chocolatinhos. Tudo gratuito. Sem falar no preço da passagem (de low-cost) e no acúmulo de milhas. Quem não gosta? Valeu muito à pena.

Acho que meu erro em relação ao voo foi planejar a ida e volta pela mesma cidade. Poderia muito bem ter voltado por Zurique. Fiquei com receio porque Zurique é mais distante de Zermatt que Genebra mas a verdade é que os trens na Suíça são incríveis e cobrem distâncias grandes em bem pouco tempo.

OS TRANSPORTES INTERNOS – TRENS NA SUÍÇA

Não iria deixar de utilizar os trens na terra dos trens não é mesmo? Desde o início da viagem sabia que o Swiss Travel Pass (passes de trem que permite viajar de forma ilimitada por dias consecutivos ou mesmo alternados) não seria conveniente. Faríamos distâncias curtas e as maiores distâncias (Lausanne – Zermatt e Zermatt – Genebra) seriam em dias afastados. Dessa forma a melhor solução, e única, era comprar os tickets individualmente.

Os trens foram a grande pegadinha desta viagem. Consultei os preços na internet com antecedência e os mesmos não pareciam se alterar, sendo assim deixei para comprar os bilhetes na hora. Qual não foi meu susto quando descobri, assim que cheguei na estação ferroviária do aeroporto de Genebra, que as ofertas oferecidas online não estão disponíveis nos balcões das estações? Fui um susto enorme! Tadinho do meu bolso.

A grande problema é que o site da SBB (empresa ferroviária Suíça) é cheio de pegadinhas e eu não me atentei a esses fatos. Que listo abaixo:

1 – Depois que você faz a pesquisa básica, ele mostra as opções de preço, eu, vendo sempre essas informações na tela inicial, achei que não teria problema em comprar na hora ou com poucos dias de antecedência. Observem abaixo a tela inicial de resultados: ela sempre apresenta a opção de comprar pela metade do preço. No caso específico de 80 francos suíços por 40 CHF. E foi isso que me confundiu inicialmente.

SBB – Tela de Pesquisa e Resultados

2 – Depois disso, quando descobri que a melhor alternativa seria mesmo comprar online, achei que bilhetes descontados não estivessem mais disponíveis. O que ocorre é que quando você clica em Fare/Buy, além de você simplesmente não ver mais o preço que aparecia em oferta, a tela seguinte mostrará o preço cheio “sempre” e isso causou toda a confusão.

SBB – Tela de Escolha do Trecho

É só depois que você preenche todas as informações e clica em next que conseguirá ver se existe algum tipo de desconto ou não. Eu e meu namorado caímos também na pegadinha da tela acima, ao informarmos os dados (nomes e data de nascimento) e escolher “no reduction”, isto é, sem descontos/reduções (casos para estudantes, idosos, etc.) e vermos que o preço não se alterava, nas primeiros vezes não clicamos no next. Compramos algumas passagens a preço cheio, direto na estação, até descobrirmos que o preço mostrado nessa tela ainda não era o preço final.

3 – Clicando em next, a próxima tela finalmente mostrará os opções com as promoções.

SBB – Tela de Detalhamento do trecho escolhido

Observem na imagem acima, que para essa data e horário é possível viajar a 60 CHF. Fazendo uso dos botões “earlier” e “later” é possível encontrar a tarifa de 40 CHF que era mostrada lá no início da pesquisa. Como fiz essa simulação em uma data próxima, são poucos trens neste dia que possuem tickets com 50%. É aqui que entra a questão da antecedência. Quanto antes comprar, mais horários estarão descontados. Se você souber exatamente as data que pretende viajar é possível fazer uma boa economia. No entanto, mesmo comprando dias antes, ainda podes conseguir algum desconto em um  trem específico que não esteja muito lotado. Eu fiz isso direto de Zermatt e funcionou.

Trens na Suíça

IMPORTANTE: A combinação de uma malha ferroviária excelente, com trens modernos (rápidos) e muito frequentes (não esperei mais do que 15 minutos por uma conexão) faz a locomoção ser muito ágil. Isso somado ao fato das cidades serem pequenas é um prato cheio para que você visite inúmeras localidades em um dia. E é justamente por isso que os passes de trem fazem tanto sucesso. Visitamos todos os pontos que queríamos conhecer de forma tão rápida, e ainda assim tranquila, que acabamos incluindo Berna no roteiro. No meu caso passe x tickets individuais ainda não valeria a pena porém NÃO subestime os trens Suíços no seu planejamento de viagem.

OS HOTÉIS ONDE NOS HOSPEDAMOS EM LAUSANNE, GENEBRA E ZERMATT

Fizemos uso de três hotéis nessa viagem. Em Lausanne ficamos três noites do LHotel, em Zermatt cinco noites no Ferienwohnung Bahari e por fim uma noite no Ibis Budget Aeroporto de Genebra.

Não foi fácil encontrar opções barata de hospedagem na Suíça, o país é caro. Nosso budget de hospedagem gira entre 60 e 80 EUR por noite porém na Suíça gastamos mais. De qualquer forma, acho que encontramos boas opções e gostaria de dividir com vocês.

Em Lausanne o LHotel foi um achado. Conseguimos uma oferta excelente no Booking.com porém sem direito de cancelamento. O LHotel é um hotel econômico. Os quartos são pequenos, o hotel é pequeno, não existem armários, apenas cabides, e os quartos não possuem TV ou frigobar.

Quarto LHotel em Lausanne

O banheiro também é diferente. São duas casinhas dentro do quarto, uma para o sanitário e outra para o chuveiro. A pia fica no próprio quarto.

Quarto e Banheiro Lhotel em Lausanne

Apesar da simplicidade a cama era boa (porém também pequena) e os lençóis e travesseiros confortáveis. A localização um diferencial, no bairro de Flon, onde está o agito noturno e ao lado do metro, isso mesmo, Lausanne tem metro. É a menor cidade do mundo com metro. Ter o metro a disposição é uma mão na roda. A cidade tem alto e baixos é caminhar é demorado e cansativo.

Eu gostei muito do custo benefício do hotel, foram 83 euros a noite com a taxa de turismo. Tivemos apenas um pequeno inconveniente. Reservei inicialmente apenas uma noite e depois alterei a reserva com as noites subsequentes que acabaram virando uma nova reserva. Como o hotel não viu isso e nós não sabíamos do ocorrido simplesmente saímos do hotel pela manhã, e, ao voltarmos logo depois do almoço, tivemos uma surpresa, estavam tirando nossas coisas de dentro do quarto para cedê-lo a outra hóspede. Tadinha!

Por um lado foi ótimo, o segundo quarto era bem melhor que o primeiro, a disposição dos móveis era melhor e era de fundos (bem mais silencioso). Acredito que quando os hóspedes ficam por apenas uma noite eles dão esses quartos menores mas isso é só uma suposição. Esse quarto menor em que ficamos na primeira noite era de frente e por isso mais barulhento.

Em Zermatt a acomodação escolhida foi o apartamento Ferienwohnung Bahari. Preferimos esse tipo de acomodação nas viagens de esqui pois gostamos de ter uma cozinha à nossa disposição. Em Zermatt esse tipo de acomodação é muito difundido, lugares assim não faltam. Porém muitos não estão disponíveis na internet. Tivemos a sorte de achar esse lugar no Booking.com, nem em sites como Airbnb estava sendo fácil. Muitos lugares eram pequenos e antigos e contavam somente com sofá cama. Dormir em sofá cama não é algo que fazemos, ainda mais depois de um dia de esqui, preferimos não ter o sofá e ter a cama.

Apartaments Bahari – Zermatt

Eu realmente gostei do apartamento e de todos os pequenos detalhes que o transformaram em um lugar muito especial. Muito bom ter meu nome na porta da frente na nossa chegada, tem uma cesta com produtos de café da manhã ao nosso dispor, encontrar pastas e guias sobre a cidade e o transporte público dentro da acomodação e até em um livro de visitas com mensagens de hóspedes de todo o mundo. Extremamente acolhedor.

O conforto em nenhum momento foi deixado de lado. Janelas automáticas, calefação potente, chuveiro muito quente, uma boa cama, aquecedor para as toalhas, e todos os utensílios de cozinha necessários para uma estadia curta, com destaque para equipamentos de fondue, raclette e máquina de café. E, claro, o gran finale: a vista do Matterhorn, incrível!

Talvez o único ponto negativo seja que o apartamento ficava em uma colina, um pouco afastado do centro da cidade. No entanto, isso é algo comum em lugares de esqui, as cidades crescem ao redor do vale. Isso também explica o preço mais camarada, 120 EUR por noite.

Em Genebra optamos pela praticidade e ficamos no Ibis Budget Aeroporto. Como a cidade é pequena o hotel do aeroporto era também perto do centro. O padrão Ibis Budget acredito que seja já conhecido de muitos, nesse em Genebra os quartos ainda são dos mais antigos, em tons de azul. Nesse post aqui comento sobre essa tipologia de hotel. A vantagem dele é que o ônibus do transporte público para em frente ao hotel e leva você em 15 minutos ao aeroporto. Muito perto. Outra vantagem é o precinho camarada pois Genebra é uma das cidades mais caras do mundo, pagamos 80 EUR, em um domingo, dia em que normalmente os hotéis custam menos.

O TRANSPORTE PÚBLICO – METRO, TRAM E ÔNIBUS NA SUÍÇA

Ao nos hospedarmos em hotéis, tanto em Lausanne quanto em Genebra, tivemos acesso ao transporte público de graça. Logo depois do check-in recebemos cartões como os da foto abaixo. Eles valem durante todo o dia, mesmo que você faça check-out por volta das 12-15 horas da tarde.

Tickets Transporte Público em Genebra e Lausanne

Zermatt é uma cidade sem carros, irei falar mais sobre isso depois, mas nela circulam pequenos ônibus a disposição dos moradores e turistas. Os ônibus são gratuitos para quem tem o passe de esqui válido. Os mesmos funcionavam até às 19h30min da noite e eram muitos úteis para acessar o centro e os pontos de acesso para subir as montanhas ao redor da cidade.

Transporte Publico em Genebra e Zermatt

DINHEIRO NA SUÍÇA

A moeda na Suíça é o franco, que possui uma cotação muito parecida com o euro em relação ao real. Usamos nossos cartões de crédito – temos cartões não emitidos no Brasil então não pagamos os abusivos spreads e 6,38% de IOF – e fizemos saques para pagamento de pequenas despesas. Tudo muito tranquilo.

A SUÍÇA É CARA?

Apesar da paridade com o euro, o custo de vida é muito alto e realmente as coisas são caras. Algumas mais caras do que outras. No supermercado em Zermatt achei os preços apenas um pouco mais altos do que na Itália e em alguns aspectos parecidos com Dublin. O ticket individual do transporte público, na faixa dos três euros, também mais caro; os trens, como citei acima, são caros mas é possível comprar online com descontos e além de tudo são muito bons. Hospedagem é mais cara em geral mas dá sempre para buscar algo dentro do seu orçamento.

O que mais assusta são os preços nos restaurantes: cappuccino a 5 euros, cerveja por 10 euros, fondue para uma pessoa entre 25 a 30 euros. Em geral os preços também não variam. Um fondue em um restaurante tradicional custa o mesmo que em um restaurante de esquina pelo qual você não dá nada. A dica que dou para mitigar essa questão é que você pesquise bons lugares para ir. Melhor pagar um pouco mais, ou mesmo o mesmo, mas ter certeza da qualidade.

COMPRAS NA SUIÇA

Não é o paraíso das compras porém para determinados artigos pode valer a pena, principalmente em épocas de liquidação. Como peguei final de temporada de esqui em Zermatt os artigos de esqui estavam muito descontados. Outra coisa que chama atenção é que eles não tem marca de médio padrão à venda. E tudo marca top, top, top.

Os horários do comércio é que não são dos melhores. A maioria das lojas fecha as 18 horas. Durante todo o feriado de páscoa, não só o comércio, como muitos restaurantes, estavam fechados no sábado e domingo, aliás no domingo o comércio não abre nem nas maiores cidades. Mesmo em Zermatt o horário ia até no máximo 19horas. Normalmente em cidade de montanha os horários são estendidos pois as pessoas passam o dia na montanha e só conseguem visitar às lojas à noite, mas ali não foi o caso.

Anúncios

4 comentários sobre “Páscoa na Suíça: Nove dias entre a Suíça Francesa, Berna e Zermatt

Deixe aqui seu comentário ou dúvida

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s