Meu Roteiro de 3 dias desempacotados na Capadócia

Como já comentei viajei à Turquia por conta própria e nesse post pretendo postar todas as dicas da Capadócia desempacotada e com transporte público já que no meu caso alugar um carro não era uma opção. Alíás, nada melhor em tempos de Salve Jorge, para quem não sabe a nova novela da rede globo que estréia justamente hoje, do que falar um pouquinho sobre as paisagens lunares da Capadócia, do passeio de Balão e das cidades subterrâneas.

Lembrancinha da Capadócia

O roteiro foi de 3 dias/2 noites os quais achei de bom tamanho. Chegamos atrávés do aeroporto de Kayseri e dele fomos direto para o hotel com o serviço da PeerLess shutle. O voo foi cedo e assim por volta das 11 horas da manhã já estávamos no hotel. O pessoal do hotel Katpatuka foi camarada e nos deixou entrar no quarto antes do horário previsto para check-in.

No primeiro dia nem pestanejamos saímos do hotel e fomos, caminhando passeando pela cidade, até o Museu ao Céu Aberto de Goreme. O Museu fica 1,3 km do centro da cidade e a caminhada foi tranquila, o que pegou, em pleno julho, foi o sol forte.

Entrada do Museu à Céu Aberto de Goreme

Vi umas pessoas irem e voltarem de bike e se não fosse pelo sol teria encarado a bike. Outra opção interessante para ir até o museu é pegar o ônibus que faz o trajeto de Goreme à Urgup, a questão aqui é que os horários são poucos então é melhor planejar. Segue o timetable nesse post aqui!

Essa opção é melhor para aqueles não tão bem condicionados porque caminhar 1,3 km e depois enfrentar todo o sobe e desce nas escadinhas dos diversos espaços que formam o Museu pode ser bem casativo.

Escada para a Igreja com a Imagem de São Jorge (no alto à esquerda), Imagem de São Jorge (abaixo à esquerda) e Entrada Dark Church (à direita)

O Museu à Céu Aberto de Goreme é muito interessante e junto com o passeio de balão è o ponto alto da viagem. Tem que ir! A Dark Church também merece a visita. O chatinho é ter que pagar à parte na bilheteria interna e que não aceita cartão de crédito. Naquele dia cheguei em Goreme com muito pouco dinheiro e dois caixas eletrônicos da cidade ainda não tinham dinheiro disponível. Tive sorte de conseguir pagar a entrada no museu com cartão de crédito porém na Dark Church meu namorado (um gentlemen) ficou a ver navios pois não tínhamos dinheiro suficiente para pagar duas entradas, resultado, entrei sozinha e aí fiz umas fotinhos, mesmo sendo proibido para que ele pudesse ver…rs. Segredinho!

Dark Church (à esquerda e no alto à esquerda), Buckle/Tokali Church (abaixo à direita)

Não compramos o audio-guide nem contratamos guia privado porém como a maioria das pessoas utiliza esses serviços e são tantos sempre que entravávamos nos locais entravámos com um grupo. Aliás era auto-organizado dessa forma, você esperava o grupo anterior sair para o próximo grupo entrar e assim, sempre acabámos ouvindo toda a explicação alheia. :0)

Depois do museu rolou um almoço, umas horinhas no hotel para descancar e saímos novamente em busca do próximo passeio: o tão esperado Passeio de Balão pelos vales da Capadócia! O jantar não podia ser diferente, estava louca para provar o Pottery Kebab.

Pottery Kebab

Assim o segundo dia foi dedicado inicialmente ao passeio de balão que por começar e terminar muito cedo deixa o dia inteiramente disponível para outras atividades. Nesse dia saímos do hotel às 4 horas e 30 minutos da madrugada e voltamos às 8 da manhã. Ainda deu tempo de dar uma dormidinha, tomar um segundo café e recomeçar o dia. Todos os  detalhes do passeio vou colocar em um outro post. Depois coloco o link aqui.

Preparando para o passeio de balão…

Assim, por volta das 10:30 estávamos na rodoviária de Goreme em direção à Cidade Subterrânea (Underground City) em Derinkuyu, a mais recomendada entre as 3 cidades subterrâneas da região. Para chegar até ela com transporte público pegamos o ônibus na rodoviária de Goreme até uma parada de ônibus em Nevsehir e de lá tomamos um outro ônibus até Derinkuyu. É fácil porque os ônibus possuem os nomes das cidades para as quais se dirigem e o ônibus para Derinkuyu pára em frente ao Museu. Todo o trajeto, considerando a espera em Nevsehir levou aproximadamente 1 hora e 15 minutos tanto na ida quanto na volta.

Observei poucos turistas nos ônibus então para as meninas deixo a dica de não abusarem nos decotes das roupas já que tanto Nevsehir quanto a pequena Derinkuyu são cidades muito tradicionais. Naquele dia estava muito quente, saí de shorts e ribana, resultado, teve um turco que não falava nada de inglês que me elogiou ao meu namorado, que situação! Ele fazia sinal de ok com as duas mãos e depois queria saber da aliança, fazia sinal para o anel que não existia no dedo. Ninguém merece! Queria ter me matado por ter feito exposição da figura!!!

Entrada e Bilheteria do Museu (alto à esquerda), Andares da Cidade Subterranea (demais)

Visitamos todos os andares da cidade subterrânea. Em um certo momento, após uns 8 minutos de descida, meu namorado, um pouco claustrofóbico, ficou preocupado em passar mal. Eu tinha lido uns relatos sobre isso e combinei com ele que iria um pouco mais adiante ver como era a situação daquele ponto para baixo. Ao descer poucos degraus conversei com um guia que me disse que a escada que eu tinha acabado de descer era a mais chatinha e que daquele ponto onde estávamos (eu e o guia) bastava descer mais um escada, 120 degraus, para chegar ao final ou que poderíamos retornar por uma escada que estava na nossa frente (eu e o guia). Esse ponto onde encontrei o guia era justamente onde se encontra um poço e conseguentemente super arejado (foto central à equerda). Voltei, expliquei ao meu namorado as opções e no final acabamos fazendo todo o percurso.

Escada para a Igreja com a Imagem de São Jorge (no alto à esquerda), Imagem de São Jorge (abaixo à esquerda) e Entrada Dark Church (à direita)

As informações do guia nos tranquilizaram ao principal causador do medo, o desconhecido, nesse caso a falta de informação mesmo. Senti falta de um mapinha mais esclarecedor por parte do museu até porque viajar desempacotado tem dessas coisas. É bem chato você estar em uma escada alguns metros abaixo da terra, baixa, estreita, com poucas luzes iluminando seu caminho sem saber se aquilo vai durar por muito ou pouco tempo ou mesmo se vai piorar. Além disso depois de todo o esforço para chegar até ali é claro que você quer mais é aproveitar e portanto desistir no meio pode ser frustante e é justamente por isso que deixo esse relato.

As escadas realmente são baixas, e olha que tenho 1,58, porém somente alguns pontos são estreitos. Além disso quem acompanha meu blog sabe que sou medrosa porém descobri naquele dia que não tenho quase nada de claustrofobia. O que achei é que na verdade existem saídas de ar por toda a parte e o ambiente é bastante úmido então aquilo me deu uma tranquilidade para ir em frente. É incrível mas você desce 2 metros e a temperatura já muda completamente. Estava muito mais agradável lá em baixo do que os 38 graus, sensação de 40, lá em cima. Outra coisa interessante é que se desce muito rápido, em 8 minutos já estavámos na metade mas achavámos que estávamos apenas começando, afinal tínhamos visto um programa de TV que diziam que ali chegaram a morar mais de 3 mil pessoas então pensavámos em algo maior, e isso acho que assustou mais. Na verdade nem tudo está aberto a visitação.

Da cidade subterrânea fizemos o caminho de volta passando por Uchisar (a formação rochosa da foto embaixo à direita). Fomos até o hotel, descansamos um pouco e rumamos para a colina para ver o Pôr do sol, um programa bem legal e que ficava muito perto do nosso hotel.

Paisagens no longo do caminho para assitir ao Por do Sol

Por do Sol em Goreme

No último dia fizemos check-out e fomos passar o dia em Urgup. Voltando para Goreme almoçamos no Nazar Borek, uma ótima dica para um almoço rápido. Por volta das 3 horas já estávamos de volta no hotel aguardando o transfer que passaria as 16:30. Em 1 hora e 15 minutos estávamos em Kayseri. Gostei de Urgup, boa para ficar umas poucas horas e passear pela cidade porém preferi Goreme.

Centrinho Urgup

Nazar Borek

Considero que fizemos todas as principais atrações e que tivemos um panorama geral dos lugares mas a verdade é que nem de longe fizemos uma boa parte delas. A Capadócia é muito focada em trilhas para trekking e no ecoturismo então se você é amante desse tipo de atividade tem reservar um pouco mais de tempo.

Eu gosto mas não naquele calor todo não fiz muita questão.  À algumas partes você pode ir com uma moto alugada ou mesmo um quadricículo porém em determinados pontos você só pode ir à pé. Abaixo uma foto que tirei de um folder com as trilhas.

Trilhas da Região (Folder da Agência Katpatuka)

Também achei o quadricículo bem salgadinho, 100 euros por dia, 40 por algumas horas e como o utilizaria para visitar os vales que tive a oportunidade de ver de cima com o passeio de balão ou para chegar até algumas trilhas que não tinha interesse de fazer naquele momento acabei dando preferência ao passeio até a cidade subterrânea. Um passeio legal parece ser o que eles chamam de Green Tour (em verde na imagem abaixo) que une o passeio à Cidade Subterrânea de Derinkuyu a um passeio pelo Vale Ihlara, ao Monastério Selime e ao lago Nar.

Mapa da Região

Achei ambos os folders muito interessantes para planejar corretamente os passeios a se fazer pela região. O Red Tour também tens seus pontos altos, conhece no detalhe os vales, algumas cidades da região e vai até uma fábrica de cerâmica em Avanos.

Leia mais:

Anúncios

8 comentários sobre “Meu Roteiro de 3 dias desempacotados na Capadócia

Deixe aqui seu comentário ou dúvida

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s