O que fazer em Oslo – Roteiro de três dias na Capital da Noruega

Dando continuidade aos posts sobre a viagem pela Noruega, nesse post irei escrever sobre os três dias que passamos em Oslo; irei detalhar os passeios que fizemos e os restaurantes que conhecemos. Oslo é relativamente pequena, no entanto, oferece muitas opções de entretenimento espalhadas pelos seus bairros. A cidade é cheia de lugares de charme onde você pode curtir a paisagem (que é linda) e ver a vida passar. Se você chegou no blog diretamente neste post sobre Oslo, não deixe de conferir o primeiro post da seria sobre a Noruega, nele comento sobre os voos, traslados e hotéis que utilizamos nessa viagem.

PRIMEIRO DIA EM OSLO

Conforme escrevi no primeiro post, o primeiro hotel onde nos hospedamos em Oslo era distante do centro e por isso quando chegamos optamos por deixar nossas malas nos lockers da estação central e ir para o hotel somente no final do dia.

A estação central de trens de Oslo é um excelente ponto de apoio ao turista; wi-fi gratuito, área de informações, lockers automáticos, lojas, supermercados e até um shopping adjacente. Além dos trens para acesso aos aeroporto, próximos a ela estão os acessos ao tram, metro e shuttle para aeroportos. Tudo coberto em função do frio, o que foi bom porque chegamos junto com a chuva.

Estação Central de Oslo

A estação tem uma parte nova é uma parte antiga que foi restaurada. É nela que fica o Visit Oslo. Se você quiser comprar o Oslo Pass, diretamente em Oslo, falei sobre ele no primeiro post, pode fazê-lo ali. Usamos muito o serviço de informações do Visit Oslo e, para nossa surpresa, uma das atendentes era brazuca filha de norueguês.

Oslo Visit Cetner

Nosso primeiro destino foi o Mercado Gastronômico Mathallen, no bairro de Grunerlokka. Foi o melhor passeio para quem acaba de chegar na cidade justamente no horário do almoço. Saímos da estação central com o tram e descemos na parada da Praça Olaf Reys, a praça é o coração do bairro, concentra muitos restaurantes e também uma animada vida noturna. Dela até o mercado, foram 5 minutos caminhando.

Mercado gastronômico em Oslo – Mathallen – Fachada

O mercado é uma graça. Não é muito grande e a proposta é oferecer quiosques com comidas de várias partes do mundo.

Mercado gastronômico em Oslo – Mathallen – Interior

Mercado gastronômico em Oslo – Mathallen

Nós fomos de comida típica norueguesa no quiosque Vulkanfisk. Uma das melhores sopas de peixe que já comi, sem falar que, desculpem-me o jargão, era de comer com olhos, deu até pena. Dois pratos (foto abaixo), acompanhados de pão e gorjetas custaram em torno de 350 NOK (aprox.40 EUR).

Mercado gastronômico em Oslo – Mathallen – Vulkanfisk – pratos

Saímos do mercado e fomos explorar o bairro. Nessa parte da cidade ela é cortada por um pequeno rio e a paisagem é pitoresca. No caminho encontramos um café divino, com um estilo meio art-deco. Se você é viciado em café como eu não deixe de visitar. Adorarmos o Tim Wendelboe. Um expresso duplo custou 30 NOK (aprox. 3,5 EUR).

Café Tim Wendelboe

Na parte da tarde exploramos a Galeria Nacional de Arte. Utilizamos novamente o tram e em torno de 10 minutos já estávamos nos arredores da galeria.

Galeria Nacional de Oslo – Obras

Não visitamos o Museu Munch mas acho que ele combina com o roteiro por Grunerlokka.Optamos por visitar primeiro a Galeria Nacional de Arte e o Museu Munch acabou ficando para a próxima. O lado bom é que na própria galeria você também tem acesso as obras de Edvard Munch, dentre elas a mais famosa: o Grito.

Galeria Nacional de Oslo – Obra Principal e Interação

A Galeria Nacional é uma excelente atração. O prédio é bonito e a exposição muito bem curada. As salas são relativamente amplas e como o lugar não estava lotado a visita foi muito agradável. Foi muito interessante conhecer um pouco mais sobre a pintura do norte da Europa.

Adorei uma sala interativa onde as pessoas eram convidadas e desenhar uma escultura que estava no centro da sala. Eu nem me atrevi, mas os trabalhos ali presentes eram muito bonitos. Ficamos em torno de 1 hora e meia na galeria.

IMPORTANTE: Esteja atento aos horários dos museus em Oslo, eles são mais restritos do que em outras capitais europeias.

Saímos de lá e fomos caminhando até a Opera House de Oslo. Visitamos o prédio por fora, tiramos algumas fotos e pegamos o metro até nosso hotel que ficava em Holmenkollen.

Oslo Opera e Ballet House

Para ler sobre os hotéis onde nos hospedamos acesse esse post aqui. Nesse dia comemos uns snacks no próprio hotel depois de curtir uma piscina aquecida e uma cerveja local no lobby. Tínhamos acordado cedo e estávamos exaustos. Na foto abaixo é possível visualizar o hotel e o Museu do Esqui (adjacente ao hotel).

Trampolin de Salto e Hotel Scandic Holmekollen

SEGUNDO DIA EM OSLO

No segundo visitamos uma amiga que mora em Oslo. Ela nos buscou no hotel e fez um giro pela cidade nos mostrando alguns detalhes do lugar e nos contando um pouco da vida em Oslo.  Ela mora em uma área que também é uma atração turística. O bairro chama-se Bygdoy. Nesse bairro estão localizados inúmeros museus como o Museu dos Barcos Viking, o Museu Folk, o Museu Marítimo, dentre outros. Esse também é uma área de praias e com um parque muito agradável para caminhadas. Acreditem a água do mar era relativamente quente.

Bygdoy

Depois de visita-la nós escolhemos visitar o Museu de Barcos Vikings. Como diria o italiano o museu é “da non perdere”. E é pequenino, em no máximo uma hora você vê tudo, as embarcações vikings assim com os demais achados arqueológicos são impressionantes.

Museu dos Barcos Vikings

Depois de visitar o museu fomos almoçar na região. Escolhemos o Restaurante Lanternem, foi dica da minha amiga então é dica quente! No local você aprecia a baía de Oslo e de quebra come mexilhões com fritas deliciosos, além de vários outros pratos.Dividimos o prato da foto, que nos custou em torno de 200 NOK (aprox.. 21 EUR) com o serviço incluído.

Restaurante Lantern

Nossa ideia era visitar o museu folclórico porém a chuva começou logo que saímos do museu dos barcos vikings e não parou mais. Como o museu folclórico é um museu a céu aberto deixamos para conhecermos em outra oportunidade. Assim, fomos em direção a última atração do dia, a região de Akker Brygge e Tjuvholmen.

Para chegar até lá você pode usar os barcos que partem do píer em frente ao restaurante Lanternem ou ônibus. A região de Bygdoy não é servida por trams ou metro. Otamos pelo ônibus porque tínhamos o Oslo Pass e nele não estava incluído esse barco.

Akker Brygge – Shopping e restaurantes

As áreas Akker Brygge e Tjuvholmen passaram por um forte processo de revitalização na última década. Enquanto Akeker Brygge possuí uma veia mais comercial com um shopping center e muitos restaurantes, Tjuvholmen, além de restaurantes, concentra empreendimentos residenciais, empresariais, galerias de arte e o Museu de Arte Moderna.

Akker Brygge – Museu de Arte Moderna

As áreas são muito próximas e conectadas por pontes. É tudo muito organizado, bonito e novo.

Akker Brygge e Tjuvholmen

Tomamos um expresso no Kaffebrenneriet do shopping e ficamos até o horário do jantar. São tantos restaurantes que é difícil escolher. Optamos pelo Dognvill. Uma proposta um pouco informal mas com um serviço ótimo. Não reservamos e demos sorte de terem assentos vagos no balcão. Bebidas, um hambúrguer, uma salada e gorjetas nos custaram 483 NOK (aprox. 50 EUR).

Restaurante Dognvill

TERCEIRO DIA EM OSLO

No terceiro dia visitamos o Parque de Esculturas Vigeland. Estava um dia de sol lindo e caminhamos do centro de Oslo ao parque, uma pernada. Não recomendo, use o tram :0

A única coisa boa foi que como estava um dia lindo de sol, mesmo a paisagem por onde já tínhamos passado estava diferente. Passamos novamente pela Catedral, pelo prédio do Parlamento e Teatro Nacional.

Catedral de Oslo

Parlamento e Teatro Nacional

Depois disso caminhamos até o Palácio Real e pelo parque que o circunda.

Palácio Real e Jardins

Seguimos em direção ao bairro de Frogner, uma área da cidade com cafés e boutiques de charme.

Kaffebrenneriet em Forgner

O Parque Vigeland é um museu a céu aberto. As esculturas do artista Vigeland, que dá nome ao parque, são o ponto alto do passeio.  Uma mais impressionante do que a outra sem falar que são muitas!

Parque Vigeland – Esculturas

As fontes, os jardins e o desenho do parque em sí também impressionam. Tudo em uma harmonia perfeita.

Parque Vigeland

Saímos do parque e fomos almoçar no Fiskeriet, em um lugar que vende frutos do mar e também serve almoço. O forte deles é o fish and chips porém optamos por uma caldeirada de frutos do mar acompanhada de bolinhos de peixe (tem um na foto junto ao pão). Confesso que não lembro o nome dos pratos.

Restaurante Fiskeriet

Gostamos do restaurante. Serviço informal, estilo bom e barato (barato para padrões noruegueses ok?). A caldeirada, mais os bolinhos e gorjetas nos custaram 284 NOK ( aprox. 30 EUR).

A região onde fica esse restaurante é bem central e comercial. Muitas lojas e  pessoas do local na rua cuidando do seu dia-a-dia. A área é menos pomposa que as demais mas foi legal conhecer o centro nervoso da cidade. A Norrona, famosa marca de artigos esportivos da Noruega, tem uma flagship store na região. Vale a visita.

À noite, depois de tanto comer peixe, optamos por algo leve e encaramos umas pizzas na Pizzaria Villa Paradiso do bairro de Frogner. Uma pizzaria com dono e staff italiano. Nem preciso falar que estava ótima não é mesmo? Então #fica a dica.

TRANSPORTE PÚBLICO EM OSLO E O OSLO PASS

Como você deve ter notado, fizemos quase tudo utilizando o transporte público da cidade. Seja o tram, o metro e ônibus. Abaixo deixo uma imagem, com um link para a página, onde é possível ter uma ideia do tamanho da malha. Marquei em amarelo as estações que utilizamos (exceção de Bigdoy e trens de/para aeroporto), para dar uma ideia visual.

Mapa Transporte público Oslo-trem, metro e tram

Todos os deslocamentos nesses meios de transporte foram realizados utilizando o Oslo Pass de 3 dias, que além do transporte também incluía todas as atrações visitadas e muitos mais. Falei sobre ele no primeiro post da série.

Termino aqui o post sobre Oslo, espero que tenham gostado, logo na sequência vem o de Bergen.

Anúncios

3 comentários sobre “O que fazer em Oslo – Roteiro de três dias na Capital da Noruega

  1. Elias Brum Ferreira disse:

    Dicas muito boas
    Estarei indo para lá amanhã, no momento estou em Estocolmo e se possivel aproveitarei as dicas de voces
    Estou indo com meus netos de 9 e 10 anos, preciso de umas dicas também para crianças.

    Curtir

    • planejandoaviagem disse:

      Olá Elias, que legal que gostastes das dicas.
      Recomendo a região de Bygdoy. O Museu Viking e o Museu Folk são boas opções para crinaças. A região também tem parques e pequenas trilhas que levam até a praia. Além disso Oslo tem também um parque de diversões, chama-se Tusenfryd Activity Park. Holmenkollen também pode ser uma boa, tem a rampa de salto de esqui, o museu de esqui e também uma tirolesa. O parque das esculturas é sempre uma boa opção para caminhar, passear e curtir o dia com os netos.
      Espero que aproveitem muito,
      Abraços e obrigada pela visita e comentário no blog!

      Curtir

Deixe aqui seu comentário ou dúvida

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s